Há uma grande diferença entre praticar uma religião e experimentar um relacionamento com Deus. Há uma grande diferença entre religião e salvação. Há muitas religiões, mas um só Deus e um só Evangelho. Religião vem dos homens; "O Evangelho é o poder de Deus para a salvação por meio de Jesus Cristo". Religião é o ópio do povo; Salvação é presente de Deus ao homem perdido. Religião é história do homem pecador que precisa fazer alguma coisa para o seu deus imaginado. O Evangelho nos diz o que o Deus Santo fez pelo homem pecador. Religião procura um deus; O Evangelho é a Boa Nova de que Jesus Cristo procura o homem que se encontra no caminho errado. "Porque o Filho do Homem veio salvar o que se havia perdido" (Mateus 18:11). O Evangelho muda o ser humano por dentro por meio da presença do Espírito Santo de Deus em seu coração. Nenhuma religião tem um salvador ressuscitado, que perdoa os pecados e dá vida eterna, pois só Jesus Cristo venceu a morte. Por isso, dirija-se só a Jesus Cristo. Ele é o único que pode perdoar os seus pecados e lhe dar vida nova nesta vida e vida eterna no reino de Deus. "Crê no Senhor Jesus, e serás salvo" (Atos 16:31). "E o sangue de Jesus , Seu Filho, nos purifica de todo o pecado" (I João 1:7). Receba a Jesus AGORA em seu coração como seu Salvador e como único Senhor de sua vida. "Hoje, se ouvirdes a sua voz, não endureçais os vossos corações"; "Hoje é o dia da Salvação". E depois de aceitar a Cristo Ele diz: "Se me amais, guardai os meus mandamentos" (João 14:15). "Se guardardes os meus mandamentos, permanecereis no meu amor; do mesmo modo que eu tenho guardado os mandamentos de meu Pai, e permaneço no seu amor" (João 15:10). "Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda esse é o que me ama; e aquele que me ama será amado de meu Pai, e eu o amarei, e me manifestarei a ele" (João 14:21).

Pesquisa personalizada

Ouça Estudos da Bíblia Agora:

Ouça Áudio Livro Caminho a Cristo!

Estude a Palavra de Deus Agora!

Estude a Palavra de Deus Agora!
Cursos e Estudos Bíblicos Gratuítos

quarta-feira, dezembro 19, 2007

Brasil é 2º país mais religioso do mundo, diz pesquisa

O Brasil é o segundo país com a maior proporção de pessoas que se consideram religiosas, segundo uma pesquisa da fundação alemã Bertelsmann.
Segundo a pesquisa, mais de 96 por cento da população brasileira se considera religiosa, a mesma proporção registrada na Guatemala.

Mas o país centro-americano foi considerado o "mais religioso"' por causa da alta proporção de pessoas que se consideram "altamente religiosas", de 76%, maior do que a do Brasil, de 71%.
Segundo a enquete, feita em 21 países e que incluiu 21 mil entrevistas, depois do Brasil, os países mais religiosos são Indonésia e Marrocos, com porcentagens pouco abaixo da brasileira.

Fiéis 'ativos'
O Brasil fica em terceiro lugar na lista dos países com fiéis ativos, que tomam parte em rituais religiosos como a missa.
Os países com o menor percentual de pessoas religiosas no mundo são Grã-Bretanha, França e Rússia.
Os Estados Unidos ficaram em quinto no ranking de países religiosos com 89% de fiéis e 62% por cento de “fervorosos”.
A pesquisa, intitulada Monitor Religioso, fez cem perguntas a cada entrevistado sobre vários aspectos da religiosidade e é uma das maiores do mundo sobre o assunto. (Fonte: BBCBrasil)

terça-feira, dezembro 18, 2007

Evangélicos ganham respeito de criminosos no Rio, diz jornal americano

Os cristãos evangélicos vêm ganhando o respeito dos membros do crime organizado nas favelas do Rio de Janeiro e estão entre os poucos que conseguem enfrentá-los, segundo afirma reportagem publicada nesta terça-feira pelo diário americano The Christian Science Monitor.

O jornal relata o trabalho de um grupo de evangélicos da favela da Mangueira que tenta convencer traficantes de drogas a deixarem as armas e se converterem.

“O propósito do grupo não é combater o crime, mas converter o máximo de gente possível. Mais lei e ordem são comumente um subproduto”, diz a reportagem.

“Nas favelas do Rio, abarrotadas de homens e mulheres às margens da sociedade, eles encontram um campo fértil. Para gente de fora, eles são chamados de ‘os evangélicos’, e em sua maior parte as pessoas das favelas não contestam seu trabalho missionário”, afirma o jornal.

Segundo a reportagem, por razões “teológicas, culturais e pessoais”, os evangélicos ganharam o respeito “dos mesmos criminosos que não pensam muito antes de matar um vizinho de longa data”.

“Então, em uma cidade considerada uma das mais perigosas do mundo, que registra 6.000 assassinatos ao ano e onde a polícia e os militares são vistos, na melhor das hipóteses, com desconfiança, os pentecostais estão entre os poucos que enfrentam o crime organizado”, diz o jornal.

Censo:

O Christian Science Monitor comenta que o Brasil tem mais evangélicos pentecostais do que qualquer outro país da América Latina, com mais de 10% da população se identificando como pentecostais no censo populacional de 2000, quase o dobro do que uma década antes.

Segundo o jornal, uma das razões pelas quais os evangélicos conseguem se aproximar dos traficantes de drogas é que “muitos deles já foram eles mesmos criminosos violentos”.

“Alguns cometeram assassinatos. Seus pastores cumpriram pena de prisão. E, renascidos, eles agora acreditam que sua missão é levar a palavra de Deus às mesmas ruas que antes aterrorizavam”, diz a reportagem.

O jornal diz que, segundo os pesquisadores, “os membros das gangues poupam os evangélicos porque, embora não sigam necessariamente nenhuma doutrina religiosa, eles ainda acreditam em Deus, em sua maioria”.

Uma antropóloga da Universidade do Rio de Janeiro ouvida pelo jornal comenta que o catolicismo tradicionalmente reflete a elite política nas favelas e é visto como tendo feito pouco para combater o crime, enquanto os evangélicos são vistos pela comunidade como uma entidade separada e incorruptível.

“Acadêmicos que estudam o fenômeno dizem que os pentecostais conseguem entrar em áreas onde até mesmo os pesquisadores do censo não vão, não apenas porque vêm dos mesmos bairros violentos, mas porque a maioria das igrejas são entidades independentes e formadas na base, ao contrário da Igreja Católica, que é gerenciada sob estrita hierarquia que começa no Vaticano”, afirma o jornal.

Mais:

The Guardian - Evangélicos 'capitalistas' avançam no Brasil, diz jornal.

Nas cidades - Evangélicos e carismáticos chegam a 49%.

Contra evangélicos, padres brasileiros usam 'seus métodos', diz 'Figaro'

quarta-feira, novembro 28, 2007

Vínculo de pastor com igreja é trabalhista, decide STJ

Apesar de não ser uma relação empregatícia, as atividades que pastores exercem em igrejas podem ser consideradas como trabalho. Essa foi a decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que seguiu, por unanimidade, o voto do relator, ministro Humberto Gomes de Barros, em um conflito de competência da Justiça de Santa Catarina.

O pastor L.M.S. entrou com ação contra a Igreja do Evangelho Quadrangular, após seu afastamento da instituição religiosa. Ele alegou que teria sido excluído após se recusar a apoiar candidatos a cargos políticos, mesmo tendo exercido atividades na igreja em diversas cidades e por muitos anos. A exclusão teria sido sumária, sem levar em conta as regras da ampla defesa e do contraditório, determinadas tanto na Constituição, no Código Civil e nos estatutos da própria igreja.
O pastor pediu indenização pelos anos de serviços prestados e por danos morais. A ação foi proposta na Justiça comum de Santa Catarina, que afirmou que a responsabilidade seria da Justiça do Trabalho. A 1ª Vara do Trabalho do Balneário de Camboriú suscitou o conflito de competência, solicitando que o STJ definisse qual Justiça seria competente para o julgamento da causa. Segundo o Ministério Público Federal, seria responsabilidade da Justiça comum.
Em sua decisão, o ministro Humberto Gomes de Barros apontou que o pedido e a sua causa não eram fundados no reconhecimento de vínculo empregatício, não havendo também pedido de pagamento de indenizações trabalhistas. "O que se pretende é obter retribuição pecuniária pelo tempo que o autor, pastor de igreja evangélica, dedicou à causa religiosa", esclareceu.
O ministro afirmou ainda que a Emenda Constitucional 45, de 2004, determinou que matérias sobre esse tipo de relação fossem de competência da Justiça do Trabalho. Com essa fundamentação, considerou que a solução da causa cabe à 1ª Vara do Trabalho de Balneário Camboriú.

quarta-feira, novembro 21, 2007

Lei de Deus

Autoridades Evangélicos defendem a Lei de Deus:

É muito comum ouvir evangélicos dizerem que não é necessário obedecer a leide Deus em nossos dias, tornando-a assim inválida´. Mas também tem setornado cada vez mais comum grandes autoridades evangélicas defenderem com força os 10 mandamentos inclusive o sábado. Num dia desses, houve umareunião de líderes evangélicos em São Paulo, um pastor Batista ao selevantar para discursar disse na assembléia de líderes evangélicos que está chegando a hora de começar as reformas, se referindo a guarda do sábado e dalei de Deus. Isto me motivou e postar este artigo que além daquelasdeclarações de Wesley, confirmadas por Billy Graham, que já citei no site http://www.altoclamor.com/, gostaria de citar aqui comentários de outroslíderes evangélicos respeitadíssimos, o conflito está só por começar. Embreve veremos sinceros de todas as partes aceitando a verdade expressa na palavra de Deus. Seja pessoas de autoridade ou seja dos mais leigos nasigrejas.."A lei do Senhor é perfeita e restaura a alma" (Sal. 19:7). Haverá algo comouma lei perfeita? Tudo quanto procede de Deus é perfeito. A lei sobre a qual estamos tratando veio Dele. Ela se torna maculada em nossas mãos. Nóssubtraímos dela e tentamos adicionar a ela, e desse modo torna-se menos doque perfeita. Num sentido muito real, a lei de Deus é a manifestação da natureza do Senhor. Não poderia ser imperfeita, como não é Ele". - TheAugsburg Sunday School Teacher (luterano), Vol. 63, no. 8, pág. 483.."Nenhum legislador humano poderia ter enunciado uma lei tal como encontramos no Decálogo. É uma lei perfeita, pois todas as leis humanas que são certasdevem ser encontradas nesse breve compêndio e síntese de tudo quanto é bom eexcelente para com Deus, ou entre os homens". - C. H. Spurgeon Renomado, Sermons, série 2 (1857), pág. 280.."Os 10 Mandamentos não são dez leis diferentes. Há somente uma lei. Se eufor suspenso no ar por uma corrente com dez elos e quebrar um deles, abaixovirei tão certamente quanto se tivesse quebrado todos os dez". - D. L. Moody, Weighed and Wanting, pág. 119 (ed. 1889).."As dez palavras do Sinai não eram dez mandamentos separados, mas dez facesde uma lei única". - The Ten Commandments, G. Campbell Morgan, pág. 11. ."Os 10 Mandamentos constituem um sumário dos deveres que Deus requer doshomens. Esses mandamentos são o fundamento subjacente da vida ética dahumanidade. São tão obrigatórios aos cristãos hoje quanto o foram aos hebreus que primeiramente os receberam". - The Snowden-Douglass SundaySchool Lessons, para 1946, pág. 17.."Ele [Cristo] cumpriu a lei moral por obedecê-la e trazer à luz suaplenitude de significado, por revelar sua intensa espiritualidade, e Ele a estabeleceu numa base mais segura do que nunca como a eterna lei de justiça.Ele cumpriu a lei cerimonial e típica, não somente por conformar-Se com osseus requisitos, mas por perceber o seu significado espiritual. Ele preencheu os esboços de sombras dos tipos e, uma vez cumpridos, tornam-sesem efeito, não mais sendo necessários que observemos a Páscoa ou mantemos ocordeiro diário; temos a substância em Cristo". - The International Standard Bible Encyclopedia, vol. 3, pág. 1847..O SÁBADO:."Jesus disse: 'O sábado foi feito por causa do homem', e a inferêncianecessária é que desde o princípio o homem conhecia os usos primários do dia, e recebia os benefícios que tinha o objetivo de conceder. . . ." Antesda entrega da lei no Sinai a obrigação do sábado foi apreendida". - J. J.Taylor (batista), págs. 20-24.."Eu honestamente creio que este mandamento é exatamente tão obrigatório hoje como sempre o foi. Tenho conversado com pessoas que dizem ter sido eleabolido, mas nunca foram capazes de apontar a qualquer lugar na Bíblia ondeDeus o repeliu. Quando Cristo esteve sobre a Terra, Ele nada fez para pô-lo de parte. Ele o libertou dos acréscimos que os escribas e fariseus lheimpuseram, colocando-o em seu devido lugar. O sábado foi feito por causa dohomem, e não o homem por causa do sábado! É tão praticável e necessário para os homens hoje como sempre foi-de fato-mais do que nunca, porque vivemosnuma época tão intensa.."O sábado foi obrigatório no Éden, e tem estado em vigor desde então. Essequarto mandamento principia com a palavra 'lembra-te' mostrando que já existia quando Deus redigiu Sua lei nas tábuuas de pedra no Sinai. Comopodem os homens alegar que esse mandamento foi eliminado quando admitem queos outros nove estão ainda em vigor?" - D. L. Moody, Weighed and Wanting (ed. 1898), págs. 46, 47.."Se não tivéssemos qualquer outra regra além dessa de Gênesis 2:3, nãohaveria dificuldade em deduzir ser ela um preceito para a observânciauniversal de um sábado ou sétimo dia, a ser dedicado a Deus como tempo sagrado, para todos daquela raça para a qual a terra e a sua natureza foramprepararadas. Os primeiros homens devem tê-lo conhecido. As palavras 'Ele osantificou' não podem ter outro sentido. Ficariam sem nexo a menos que fizessem referência a alguns aos quais se requeria mantê-lo santo". - JohnPeter Lange, A Commentary on the Holy Scriptures, sg., Gênesis 2:3, vol. 1,pág. 197..De fontes Pentecostais:.(1) O Que é a Lei de Deus? O Que São os Dez Mandamentos? O Pr. Carlo Johansson, assembleiano, responde da seguinte maneira:"A lei é a vontade de Deus, no Decálogo".-- Síntese Bíblica do VelhoTestamento, pág. 48.Já o Pr. Harold J. Brokke, também pentecostal, afirma isto: "A lei é uma parte vital do governo divino no mundo em nossos dias... asanta lei de Deus é um pré-requisito divino para uma experiência maisprofunda da graça". -- Prosperidade Pela Obediência, pág. 10. Por sua vez, , o Pr. Myer Pearlman, pentecostal, professor de muitospastores, inclusive do Pr. N. Lawrence Olson, que foi por muitos anos oorador do Programa de Rádio A Voz das Assembléias de Deus, assim se expressou:"Os mandamentos representam e expressão décupla da vontade de Jeová e anorma pela qual governa os Seus súditos". -- Através da Bíblia, pág. 27.Conforme foi visto acima, estes pastores pentecostais têm a Lei de Deus, os Dez Mandamentos, numa alta estima. E o conselho bíblico é que se deveobedecer aos pastores que falam a PALAVRA DE DEUS.Apenas os que falam a sua própria palavra, é que não devem ser atendidos.Especialmente, aqueles que usam sua própria palavra, mas dizem que é a palavra de Deus, enganosamente. Esses devem ser confrontados e combatidoscom a "Espada do Espírito".(2) Para que Serve a Lei, os Dez Mandamentos?Já citado, o Pr. Harold J. Brokke, dá várias respostas a essa pergunta. Ele diz:"Nós não podemos compreender a salvação sem entender a lei de Deus. ... Deusrevela Sua vontade, no tocante ao procedimento do homem, por meio dosmandamentos que lhe apresenta. ... O propósito da lei é fazer com que os homens sintam sua necessidade de Jesus Cristo e do Seu evangelho de perdão.... Pela lei vem o conhecimento do pecado. Os homens precisam de buscar aDeus, reconhecendo-se pecadores, ou seja, criaturas que sabem ter desobedecido a lei e o governo de Deus, reconhecendo-se verdadeiros inimigosdo próprios Deus pelo desrespeito às Suas leis". - Op. Cit., págs. 14, 15,16 e 17.Tendo consciência da necessidade do homem com relação ao cuidado e proteção de Deus, o Pr. Myer Pearlman, atrás referido, escreveu:"Os mandamentos de Deus são cercas, por assim dizer, que impedem ao homementrar em território perigoso e dessa maneira sofrer prejuízo para sua alma". -- Conhecendo as Doutrinas da Bíblia, pág. 91.Concordando de que a lei de Deus é para o benefício do homem, o Pr. CarloJohansson declarou o seguinte:"O decálogo - o fundamento do pacto e o mais essencial da lei, como também a condição para vida e felicidade". -- Op. Cit., pág. 116.Resumindo o que eles disseram: a lei de Deus serve: a) para compreendermos asalvação; b) para revelar a vontade de Deus; c) para fazer os homens sentirem necessidade de Cristo; d) para saber o que é o pecado; e) para sercomo cerca protetora do perigo; f) como condição de vida e felicidade.Todas estas coisas são muito boas razões para um cristão obedecer a Deus! Além de tudo, estão de acordo com a palavra de Deus.(3) Desde Quando Existem os Dez Mandamentos, a Lei de Deus?Também da Assembléia de Deus, o Pr. Orlando Spencer Boyer, comentarista,escritor, pastor, professor e autor de muitos livros, registrou estas palavras sobre o Decálogo:"Não se deve pensar que não existia nada destes mandamentos antes de Moisés.Foram escritos nas mentes e nas consciências dos homens desde o princípio" -- Pequena Enciclopédia Bíblica, pág. 198. (4) Precisamos de Outra Lei, Além do Decálogo, Para Nos Indicar o Que é oPecado?Quem responde muito bem a esta pergunta, também, é o Pr. Orlando S. Boyer,quando diz:"Não há pecado que não é condenado por um dos Dez Mandamentos". -Pequena Enciclopédia Bíblica, pág. 198.(5) Existe a Lei Moral e a Lei Cerimonial?Mais uma vez O Pr. Boyer nos apresenta aquilo que tem aprendido de Deus, emanos de estudo da Palavra:"Algumas pessoas dão ênfase à distinção entre mandamentos 'morais' e mandamentos 'cerimoniais'. As exigências 'morais' são aquelas que em simesmas são justas e nunca podem ser revogadas. Ao contrário, as leis'cerimoniais' são aquelas sobre observâncias, sobre o cumprimento de certos ritos, por exemplo: os mandamentos acerca dos holocaustos e o incenso. ...As leis 'cerimoniais' podem ser abrogadas na mudança de dispensação, mas nãoas leis 'morais'. É certo que existe tal distinção". -- Marcos: O Evangelho do Senhor, págs. 38 e 39.E o Pr. Antonio Gilberto, também da Assembléia de Deus, confirma:"A parte moral da lei é eterna e universal". -- Manual da Escola Dominical,pág. 86.E eis um comentário bíblico muito usado nos meios pentecostais, (CPAD-Casa Publicadora das Assembléias de Deus).com sua definição clara também:"Se Jesus não veio abolir a lei, todas as leis do AT ainda se aplicam a nóshoje? É preciso lembrar que havia três categorias de leis: a cerimonial, a civil e a moral.(1) A lei cerimonial diz respeito especificamente à adoração por parte deIsrael (Levítico 1: 2, 3). Seu propósito primário era apontar adiante, paraCristo, portanto, não seria mais necessária depois da morte e ressurreição de Jesus. Mesmo não estando mais ligados à lei cerimonial, os princípios queconstituem a base da adoração -- amar e adorar a Deus Santo -- ainda seaplicam. Jesus foi frequentemente acusado pelos fariseus de violar a lei cerimonial.(2) A lei civil se aplicava à vida cotidiana em Israel (Deuteronomio 24:10,11). Pelo fato de a sociedade e a cultura modernas serem tão radicalmentediferentes das daquele tempo, esse código como um todo não pode ser seguido. Mas os princípios éticos contidos nos mandamentos são atemporais, e devemguiar nossa conduta. Jesus demonstrou estes princípios por meio de sua vidaexemplar.(3) A lei moral (como os Dez Mandamentos) é a ordem direta de Deus, exige uma obediência total (Exodo 20:13), pois revela sua natureza e vontade.Assim, ainda é aplicável em nossos dias. Jesus obedeceu completamente à leimoral". -- Bíblia de Estudos Aplicação Pessoal, Almeida. (CPAD-Casa Publicadora das Assembléias de Deus).(6) A que Tipo de Lei o Apóstolo Paulo Se Refere em Colossenses 2:16?O Pr. Evangélico Myer Pearlman responde, apropriadamente, a esta questão,quando escreve:"A sua relação com a lei cerimonial (vers. 15,16). As festas, os dias santose outras observâncias cerimoniais judaicas não passam de símbolos e figurasrepresentando Cristo. Agora, desde que Cristo cumpriu os símbolos, os mesmos tornam-se desnecessários". -- Através da Bíblia, pág. 293.(7) E o Sábado do Quarto Mandamento, Qual a Sua Origem?Num livro preparado pela Casa Publicadora das Assembléias de Deus (CPAD),para tirar algumas dúvidas sobre certos assuntos, intitulado A Bíblia Responde, nós lemos esta declaração:"O observador mais acurado vai perceber que o sábado não é um mandamentooriginado na lei mosaica (Gên. 2:3), ainda que mais tarde a ela incorporado".-- A Bíblia Responde, pág. 123. Depois dele, quem responde a esta pergunta é o Pr. Carlo Johansson. Eleescreveu estas palavras:"O sábado tem a sua origem na criação, Gên. 2:1-3". -- Op. Cit., pág. 42.O Pr. Myer Pearlman, estudioso e dedicado, completa o que foi dito acima, da seguinte maneira:"O Grande Arquiteto do Universo completou em seis dias Sua obra da criação,e descansou no sétimo dia. ... No sétimo dia Ele descansou, dando ao homemum exemplo, trabalhando seis dias e descansando no sétimo". -- Através da Bíblia, págs. 14 e 15.Conclusão: A origem do sábado, ao contrário do que ensinam alguns cristãosdesinformados, não é a doação da Lei dos Dez Mandamentos, no Monte Sinai.Conforme os estudiosos da Bíblia, da Igreja Evangélica Assembléia de Deus, foi na SEMANA DA CRIAÇÃO. Seis dias de trabalho, e o sétimo para o descansoe culto.(8) Há Razões Para Descansarmos no Sábado?O Pr. Harold J. Brokke é bastante enfático, e categórico, ao dar umaresposta a esta questão. Ele proclama "em alto e bom som":"É possível que alguém imagina que a transgressão desse quarto mandamento émenos grave do que a transgressão dos outros nove. A verdade, porém, é que quem se dispõe a transgredir o quarto mandamento já tem no coração ainclinação de transgredir um ou mais dos outros mandamentos. . . ."Por que deve o homem guardar o sábado do Senhor? Porque é justo! Segue-se aqui o mesmo princípio de não furtar porque não é justo". -- Op. Cit., págs.58 e 59."2. O sábado é indispensável ao homem, sendo propiciador de seu maior bem,fisica, intelectual, social, espiritual e eternamente. Daí que sua observância está ligada às melhores promessas, e sua violação com as maisseveras penalidades. Êxo. 23, 12; 31, 12-18; Nee. 13, 15-22; Isa. 41, 2-7;43,13-14; Jer. 17, 21-27; Eze. 20, 12-13; 22, 26-31. Sua santidade foi assinalada muito marcadamente na coleta do man. Êxo. 15, 22-30."3. A lei original do sábado foi renovada e tornara parte destacada da leimoral, ou dez mandamentos, dados mediante Moisés no Sinai. Êxo. 20, 8-11". - Amos Binney e Daniel Steele, Binney's Theological Compend Improved (ed.1902), pág. 170."Onde por acaso nos é dito nas Escrituras que devemos observar o primeirodia? É-nos ordenado observar o sétimo dia; mas em parte alguma temos ordem de guardar o primeiro dia. . . . As razões de observarmos o primeiro diacomo dia santificado em vez do sétimo dia é pela mesma razão que observamosmuitas outras coisas, não por causa da Bíblia, mas porque a Igreja estabeleceu isso". - Isaac Williams (anglicano), Plain Sermons on theCatechism, vol. 1, págs. 334, 336.Que Deus abençoe a todos!
Cristiano Cardoso de Carvalho, CD - CRO-SC: 4931
Especialista em Patologia Bucal

quinta-feira, outubro 18, 2007

Ilustrações para refletir...

Histórias que ilustram o nosso dia dia
www.ilustrar.com.br

Um tomate fazendo de conta que era uma bola
Olhou para o seu lado direito e viu duas crianças rindo. ... As crianças agora não acharam nenhuma graça, estavam assustadas com o que estava acontecendo. ...
O pãozinho e o interesse
Um homem rico, que amava crianças , chamou vinte delas e disse: ... No dia seguinte, as crianças voltaram e se comportaram pior do que nunca. ...
O campo de abacaxis
Nós estávamos nos desgastando tentando ajudá-los, cuidando de seus doentes e salvando as vidas de suas crianças . Os abacaxis ficaram maduros e um por um foi ...
O elefante e a estaca
Quando eu era criança me encantavam os circos e do que eu mais gostava eram os ... Simplesmente porque, alguma vez, quando éramos crianças , tentamos e não ...
Bolas de plastico
Ele tinha comparado os problemas com uma bola de plástico, daquelas bem leves que as crianças gostam de jogar na praia. O pastor pediu que imaginássemos que ...
A visita dos animais à uma igreja evangélica
Interessados pelos problemas alheios, preocupação como ajudar aqueles que estavam desempregados, cuidado com as crianças , para que estas prestassem atenção ...
O malabarista do circo
Principalmente as crianças . Entre os adultos a conversa era por causa de um malabarista, que andava de carrinho de mão sobre um cabo de aço a 25 mts de ...

segunda-feira, outubro 08, 2007

Ideologia na IASD

O papel da Ideologia na Organização Adventista

Por: Renato Miranda


Após ler o excelente livro “O Leviatã Adventista”, do nobre Pastor Edgard, disponibilizado no site:
http://www.adventistas.com/, senti o desejo de aprofundar-me mais nessa análise da estrutura adventista, partindo de uma concepção marxista, da qual sou um admirador, porém com algumas críticas pontuais.

Partindo do pressuposto de que a sociedade capitalista é uma sociedade fundamentada na propriedade privada e na exploração de uma classe social sobre as outras, e de que os Estados Unidos desde sua origem é uma nação capitalista, e hoje a maior do mundo, a Igreja Adventista do 7º Dia nascida nos Estados Unidos, não poderia deixar de receber toda uma influência ideológica desta nação.

Primeiramente é necessário fazer uma breve retrospectiva histórica do surgimento do capitalismo e sua dominação ideológica para então podermos traçar um paralelo mais fiel da realidade.

A visão cristã durante quase toda a Idade Média era de que o homem não deveria acumular riqueza aqui nesta terra, e nem cobrar usura do seu próximo. Mas, com a transformação da sociedade feudal para a sociedade capitalista, culminando com a ascensão da burguesia ao poder, tornou-se necessária uma nova visão sobre a acumulação de riqueza que favorecesse a burguesia e a implementação do capitalismo.

O livro de Max Weber chamado “A ética protestante e o espírito do capitalismo” mostra uma visão interessante de como foi essa transformação. A idéia de que o homem deveria trabalhar com afinco e não desperdiçar seu dinheiro para ser um bom mordomo de Deus, favoreceu o acumulo de bens da burguesia cristã. Ora, a visão de que era pecado ser rico, agia como um freio à avareza da burguesia, que passou a precisar de uma nova interpretação bíblica que favorecesse o livre acumulo do capital. Tal interpretação foi dada por vários reformadores, tais como Lutero e Calvino, que passaram a afirmar que a riqueza era uma benção de Deus.

Com a “Revolução Francesa”, que culminou com a queda da monarquia e a ascensão da burguesia ao poder, mudaram-se as estruturas de classes. A nobreza, que antes exercia seu domínio sobre as outras classes (burguesia, servos, escravos...), perdeu seu poder para a burguesia, que passou a ser a classe dominante. Ora, segundo Marx, a classe que domina economicamente só mantém o seu domínio se dominar politicamente. Isso foi o que levou a burguesia a lutar pelo poder, pois ela já detinha grande poder econômico, mas ainda faltava-lhe o poder político para manter tal domínio.

Agora, o mais interessante da análise marxista são os meios que a classe dominante se utiliza para se manter no poder, que são dois: O Estado e a Ideologia. Através do controle do Estado, a classe dominante mantém preservados seus interesses. No Estado, ela utiliza o Direito para legitimar sua dominação, e a Lei, passa a ser direito para o dominante e dever para o dominado. Isso fica fácil demonstrar no Brasil, basta vermos o sistema carcerário brasileiro. Dentre todo o universo de presidiários brasileiros, mais de 95% pertencem as classes sociais “C”, “D” e “E”, ou seja, a classe mais beneficiada economicamente, isto é, a classe dominante, quase nunca é atingida pela legislação penal vigente.

Mas, o que eu quero enfatizar, antes de adentrar no Adventismo, é o papel da ideologia dentro da dominação de uma classe sobre as outras. O conceito da ideologia dentro do marxismo é de que a ideologia é um mascaramento da realidade, ou seja, ela tem a função de trocar o “real” pelo “ideal”. A ideologia faz com que as pessoas não vejam as coisas como verdadeiramente elas são. Ela substitui a realidade de determinada situação pela idéia sobre determinada situação. Isso pode ser visto numa análise do conceito de ESTADO, que pela ideologia passa a ser visto como o conjunto de pessoas que buscam um bem comum (visão idealista), enquanto na verdade o ESTADO nada mais é do que a exploração de uma classe social sobre as demais (visão realista). Esse ocultamento/mascaramento da realidade é que faz com que as pessoas aceitem tudo isso como legitimo, sem saber que elas estão substituindo a “idéia” de ESTADO pela “realidade” de ESTADO.

Agora você me pergunta: O que tudo isso tem a ver com a Igreja Adventista? Tudo, e em todos os aspectos. Vamos agora traçar um paralelo dessa visão marxista com a IASD.

· Marx afirma que quem detém o poder econômico detém o poder político. Olhe para o sobrenome dos líderes de nossas associações, uniões, divisões, casas publicadoras, hospitais, etc. No Brasil, por exemplo, a maioria tem sobrenome estrangeiro. Você quase não vê um Silva, um Santos ou qualquer outro sobrenome popular. A maiorias dos líderes de nossas instituições (na América latina) vêm de família européia (Nagel, Sarli, Martinelli, Shullman, Shultz, De Lima, etc.) Eles vêm das famílias de melhores condições financeiras dentre a membresia. São poucos (e cada vez mais raros) os que vêm de família humilde e conseguem galgar altas posições na obra. Isso só vêm confirmar que, quem detém o poder econômico, detém também o poder político na IASD.

· Também já foi dito que a classe que domina (o clero no nosso caso) sobre outras classes (membresia, funcionários), utiliza-se do Direito (Leis) para manter sua dominação. Isso agora está bem patente dada à forma com que a organização está tratando os movimentos que estão denunciando essa exploração, e com isso ameaçando a continuação de seu domínio explorador. A classe dominante (Clero) tem usado suas leis (Manual da Igreja, Regimento Interno, etc.), que nunca tem efeito contra eles, pois a lei nesse caso é “direito” para o dominante e “dever” para o dominado, para esmagar qualquer movimento das classes exploradas que venha a ameaçar sua dominação. Isso ficou bem claro quando trabalhei na ARJ e me disseram: “Aqui ou você concorda com tudo, ou você é cortado”.



· Se todos os membros percebessem tudo o que foi exposto acima, com certeza iriam se levantar contra esse sistema de exploração. Mas, aí entra o papel da ideologia, que vêm mascarar a realidade, fazendo os membros verem uma coisa que na verdade não existe. Quando você começa a se levantar contra os erros na igreja, qual é a reação dos lideres (classe dominante/clero)? É a de tentar fazer um mascaramento da realidade, fazendo os seguintes discursos:

“Essa é a igreja de Deus”
(Na verdade, ela só será a igreja de Deus se fizer à vontade de Deus).

“Se você sair dessa igreja você irá se perder”
(Onde está escrito isso? Pois a salvação está ligada a Jesus, e não a nenhuma organização).

“Nossa obra médica é inspirada por Deus”
(Qual tipo de obra médica? A obra médica de Jesus, onde ele atendia a TODOS GRATUITAMENTE, ou a do capitalismo adventista, onde só quem paga tem direito?).

“Deus está no controle de sua igreja”
(Deus tem votado nas assembléias? Ela está de acordo com todo esse esquema de corrupção doutrinária e administrativa? Ele guia os desvios de verba da ADRA? Ele guia uma igreja que está se apostatando?).

“O que é feito com os dízimos cabe a Deus cuidar”
(Quem tem desviado o dízimo do seu propósito, os homens ou Deus? Acaso Deus não deu para os homens capacidade de corrigir tais erros?).
Em suma, o que eu gostaria de deixar bem claro é que hoje, a organização adventista, fruto de uma influência ideológica dos EUA, se tornou uma estrutura mundial onde uma determinada classe social (o clero), explora as outras classes (membros, funcionários) que a compõem, se beneficiando política, social e economicamente dessa estrutura. E que essa classe, utiliza sua legislação administrativa e sua ideologia para manter essa exploração.
Segundo a concepção marxista, somente uma ruptura com o poder dominante e a tomada de poder pelos explorados é que tem condições de se mudar uma realidade como essa. Lógico que, dentro de uma ótica cristã, o único caminho que vejo é a ruptura com essa gigantesca forma de exploração, resultando no retorno à concepção dos pioneiros e da igreja primitiva, que é a descentralização do poder (congregacionalismo), e o fim da hierarquização (independência das congregações).

Histórias para reflexão

Histórias que ilustram o nosso dia-a-dia:

A maneira de dizer as coisas Certa vez um sultão sonhou que havia perdido todos os dentes. Logo que despertou, mandou chamar um adiviho para que interpretasse o seu sonho: - Que desgraça, senhor! Exclamou o adivinho. - Cada dente caído representa a perda de um parente de vos..
A libélula e a tartaruga A libélula recém nascida, que pairava as suas leves asas sobre a água transparente do ribeirão, viu imóvel sobre uma pedra, uma tartaruga que tomava banho de sol. Espantada diante de uma criatura tão feia,..
A inveja não brilha Era uma vez uma cobra que começou a perseguir um vagalume que só vivia para brilhar. Ele fugia rápido com medo da feroz predadora e a cobra nem pensava em desistir. Fugiu um dia e ela não desistia, dois dias e nada... No terceiro dia,..
A Imagem na Prata Havia um grupo de mulheres num estudo bíblico do livro de Malaquias. Quando elas estavam estudando o capítulo 3, elas se depararam com o Versículo 3 que diz: "Ele assentar-se-á como fundidor e purificador de prata".....
A história de um pescador Esta história é contada por meu pai, Roberto Herbert Gretz, em seu livro "As preocupações e as soluções". É verdadeira e passou-se em Itapeva (interior de São Paulo) quando a cidade ainda tinha o nome de Faxina. Um homem chamado Antônio Rodrigue..
A Glória do Burrinho Era uma vez um burrinho. Burrinho como os demais que viviam no pasto, e que prestavam serviços, quando necessitavam deles. Um dia, houve grande festa naquela terra. Era feriado. Feriado nacional. Comércio fechado...

sexta-feira, outubro 05, 2007

Espiritualidade e saúde

Pesquisadores avaliam efeito da espiritualidade sobre o organismo:

Segundo novo estudo, mais da metade dos médicos acreditam que fé influencia na saúde. Não importa qual é a crença nem se ela envolve um deus. O fato é que práticas como oração e meditação vêm se tornando, cada vez mais, alvo de estudo de pesquisadores da área da saúde, que investigam, em vários países, os efeitos da fé sobre o organismo humano.

"Antigamente, os médicos se lembravam da religião só quando o paciente parava de tomar um medicamento por causa dela. Hoje é comum perguntar sobre aspectos espirituais e religiosos para usá-los positivamente em um tratamento", analisa o psiquiatra Alexander Moreira Almeida, coordenador do Nupes (Núcleo de Espiritualidade e Saúde), da UFJF (Universidade Federal de Juiz de Fora), em Minas Gerais.

Segundo uma pesquisa recente realizada nos Estados Unidos, já são muitos os médicos que enxergam uma ligação entre fé e saúde. Mais da metade (56%) dos profissionais entrevistados disseram acreditar que a religião e a espiritualidade têm uma influência significativa na saúde dos pacientes. Publicado no último mês no "Jama" ("Journal of the American Medical Association"), o levantamento foi feito com 2.000 médicos de diferentes especialidades.

"O estudo sugere que grande parte dos médicos não encontra barreiras entre ciência e fé. A maioria dos profissionais americanos acredita que Deus intervém na saúde dos pacientes e, no entanto, continua a aplicar as últimas descobertas da ciência na sua prática", disse à Folha o autor do estudo, Farr Curlin, professor de medicina da Universidade de Chicago, nos Estados Unidos. Outro estudo recente, publicado neste ano na revista científica oficial da Academia Americana de Neurologia, sugere que níveis mais elevados de espiritualidade e de práticas religiosas individuais estão associados a uma progressão mais lenta da doença de Alzheimer.

Para Tim Daaleman, pesquisador da Universidade da Carolina do Norte (EUA) e autor de vários estudos sobre a relação entre espiritualidade e saúde, a consciência dos efeitos da fé nos procedimentos médicos tem aumentado nos Estados Unidos. "Alguns prognósticos vêm projetando uma visão da saúde que será mais inclusiva do que nossa compreensão atual, uma perspectiva global que coloca fatores espirituais ao lado das causas físicas, psicológicas e sociais", afirma.

Variantes
Há várias hipóteses para explicar de que maneira a fé influencia na saúde. "Uma delas defende que esses indivíduos possuem uma rede de apoio social mais forte, enquanto outros estudiosos indicam que, com a fé, as pessoas encontram um sentido na vida, o que as ajuda a viver melhor, com mais esperança e com uma atitude mais positiva", explica o psiquiatra Paulo Dalgalarrondo, da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas). Com previsão de lançar um livro intitulado "Religião, Psicopatologia e Saúde Mental" ainda em 2007, Dalgalarrondo estuda o assunto há cerca de 20 anos.

Para Dalgalarrondo, é preciso levar em conta que a religiosidade também pode surtir efeitos negativos, especialmente para minorias sociais. "Há homossexuais que são bastante religiosos, e, em alguns casos, é gerado um conflito entre a fé do indivíduo e o que as denominações religiosas pregam", diz. Também há receio de que pessoas religiosas aceitem a vida de forma passiva, acreditando que uma força maior possa resolver todos os problemas e ignorando qualquer tratamento médico.

Equilíbrio celular

Enquanto a maioria dos estudos busca mostrar como a espiritualidade de um determinado paciente atua no seu organismo, uma pesquisa brasileira demonstrou a ação de orações feitas por religiosos sobre as células humanas.

Coordenada por Carlos Eduardo Tosta, pesquisador do Laboratório de Imunologia da UnB (Universidade de Brasília), a pesquisa foi realizada com 52 voluntários, estudantes de medicina da universidade. O resultado revelou que um dos principais mecanismos de defesa do organismo -a fagocitose- pode ser estabilizado com preces feitas à distância.

A cada semana, uma dupla fornecia amostras de sangue e respondia a um questionário sobre estresse. Um desses voluntários tinha sua foto encaminhada a dez religiosos de diferentes credos, que, semanalmente, faziam preces para aquela pessoa.

A metodologia adotada impedia que Tosta e os estudantes soubessem quem recebia as orações, para evitar a auto-sugestão. A análise dos exames de sangue feita após a semana de preces apontou maior estabilidade dos fagócitos - células de defesa do organismo - dos alunos que receberam as orações em relação aos seus exames anteriores. O experimento foi feito posteriormente com o grupo de alunos que não havia recebido as preces num primeiro momento e o fenômeno foi novamente observado.

Apesar dos resultados da pesquisa, a explicação para o fenômeno está longe de ser alcançada. "Quando testamos medicamentos novos, é possível quantificar os dados, mas a qualidade da prece é imensurável", afirma Tosta.

Movimento

A partir da segunda metade do século 19 e ao longo do século 20, houve uma tendência a ver a religião como algo primitivo. À medida que o ser humano fosse evoluindo, dizia-se, os homens a abandonariam.

Personalidades como Sigmund Freud, que afirmava que a religião seria uma neurose obsessiva universal e um mecanismo de defesa imaturo, contribuíram para que ela ganhasse contornos negativos durante esse período, principalmente entre os intelectuais.

Estudos para avaliar a ligação entre religiosidade e saúde ganharam força no final do século 20.

Muitos apresentaram resultados opostos às idéias de pensadores como Freud. Nessa época, surgiu a neuroteologia, campo que estuda o processamento das emoções relacionadas à religião e à espiritualidade no cérebro.
Interessado no tema, o neurocirurgião Raul Marino Jr., da Faculdade de Medicina da USP (Universidade de São Paulo), lançou, em 2005, o livro "A Religião do Cérebro", onde explica o processamento desses fenômenos no órgão humano.
Ele defende que, se o cérebro é incumbido de processar emoções, aprendizados, noções de moralidade e afetividade, entre outras funções, é também responsável por validar a espiritualidade. "Até agora se pensava que as manifestações espirituais se processavam no vácuo, mas hoje se sabe que o cérebro é o nosso computador", afirma.

Contrário à linha de Marino, Paulo Dalgalarrondo diz que "a ciência não dá conta de todos os fenômenos, como o religioso". "A idéia de que a ciência um dia vai explicar tudo é caricatural", opina.

Mensagens para reflexão

Artigos:
Indulgências pós-modernas
A ansiedade leva à depressão
Ilustrações:
A parábola dos filhos cobiçosos
O rei e o lobo
Família:
Como ter um casamento duradouro
Estratégias e revelações de Deus para governar nossa família
Missões:
Tempo de semear
Chamado, obediência, perseverança em amor
Meditações:
Deus de longe e Deus de perto
Desejo divino
Liderança:
Liderança Cristã
Como é o seu Grupo?
Jovens / Teens:
Honre seus pais... e aguarde o sucesso
Padrões errôneos

quinta-feira, setembro 27, 2007

Para Reflexão


A proporcionalidade da igreja de Corinto 1.Resumo do texto: (Proporcionalidade da igreja de Corinto)-A igreja de corinto era formada na maior parte por pessoas simples, pobres, escravos, etc. Por isso Paulo diz "atentai para vossa vocação", usando a proporção dos pobres e simples na comunid.. Sete características de uma igreja de sucesso INTRODUÇÃO: Se a Igreja de Cristo for o que Deus tem em mente, então somos a instituição mais influente no mundo. Os cansados se voltam para ela para que o Salvador lhes tire a carga; os tristes nela encontram conforto e paz;.. Sacríficio que exige sacrifício A salvação nos é oferecida de graça, mas não significa que ela não tenha valor. Ela foi comprada com sacrifício. Vejamos os sacrifícios que Jesus fez para no-la conceder: 1. O sacrifício da encarnação - A vinda de Jesus ao mundo foi uma troca que.. Cristo, meu substituto INTRODUÇÃO: a) A história da Criação e queda do homem é conhecida por todos os cristãos. Ao contemplar essa trágica ocorrência, fica-se com o coração comovido por compreender a indescritível tristeza que Adão e Eva devem ter sentido quando desc.. As bênçãos do casamento Intr.: 1. "Aquele que encontra uma esposa acha o bem e alcança a benevolência do Senhor" Prov. 18:22. 2. Outra tradução diz: "Encontrar uma esposa é encontrar a felicidade, é obter um favor de Deus" Prov... A bênção da unidade I. A TRINDADE DIVINA – PADRÃO UNIVERSAL DE UNIDADE 1. O Pai, o Filho e o Espírito Santo estão inseparavelmente unidos. 2. Eles concordam em todos os pensamentos, ações e palavras 3. Essa uniào foi testificada por Jesus e permanece para sempre. .. Sete coisas que temos em Cristo “A morte e a vida estão no poder da língua; e aquele que a ama comerá do seu fruto”. Pv 18:21 SALVAÇÃO Diga: Eu estou salvo! A. Há estabilidade na salvação § Rm 10:8,9 “Mas que diz? A palavra está junto de ti,.. Os cinco presentes de Deus INTRODUÇÃO: a) Todas as pessoas querem receber a recompensa pelo seu trabalho. Isto é natural no ser humano. Porém a salvação é um dom gratuito de Deus. Não nos é dado como pagamento por alguma obra boa que fizemos... Graça na desgraça O tema que desejo abordar nesta hora tem um título um tanto engraçado: Graça na Desgraça. 1. Alguém então pergunta: Pastor, pode existir graça na desgraça? 2. A minha resposta é esta: Dentro da espera humana não há desgraça que tenha graça. ..

quarta-feira, setembro 19, 2007

O CORAÇÃO DO HOMEM




ATENÇÃO:
O endereço para pedir este livro e folhetos é ALL NATIONS GOSPEL PUBLISHERS
P.O. BOX 2191, PRETORIA,0001-SOUTH AFRICA (RSA) FONE (012) 327-4441

ACESSE TAMBÉM: http://biblia.com.br/




quinta-feira, agosto 30, 2007

ILUSTRAÇÕES


A lebre tonta Uma lebre bela e feliz costumava saltar pelos campos. Era bom vê-la, pois bela era. À medida em ficava adulta, também cresciam as responsabilidades, de modo que a lebrinha deixou de saltar para trabalhar...
Os babuínos chorosos Certa madrugada, estavam dois babuínos chorosos em uma árvore. Choravam porque não gostavam da vida que levavam. -Eu não quero trabalhar como sentinela do rei! Fico em pé todo o tempo! -Nem eu que cozinho para um batalhão!..
O Escorpião e o cururu Este fato me foi contado Pelo velho Mandacaru Que observou ali parado O escorpião e o cururu. Disseram o inseto e o batráquio: - Me leve à outra margem do rio - Por que devo levá-lo escorpião, se podes cravar-me o ferrão? Respondeu o peço..
O Tamanduá Jogador Era uma vez um tamanduá jogador. Desde criança aprendera a jogar os mais variados tipos de jogos do reino animal. É verdade que, por questões de sobrevivência, só sabia fazer isso, esquecendo-se até de quem era como espécie...
O urso e o pintassilgo Certo urso chegara ao inverno e se considerava preparado para dormir por longos meses. Estava velho e não se sentia seguro quanto ao gosto de despertar ao final da estação. A caverna escolhida, apesar de estreita,..
O touro fofoqueiro Um touro vivia numa campina rodeado de outros touros, algumas cabras e cabritos. Ele gostava de manter-se em evidência, e, para isso, costumava subir numa pedra alta e olhar a todos de cima. As cabras,..

DEVOCIONAIS

Devocionais:
A foice, o martelo e a cruz O Cristinanismo brasileiro hoje vive uma tensão antitética. Há os cristãos "socialistas" (Teologia da libertação, dos sem terras) e os "pietistas" (pentecostais e carismáticos). Estes preferem orar, a ...
A sociedade secreta Talvez soe de uma forma estranha o fato de que o Cristianismo leva "os seus iniciados" a certos conhecimentos que, somente eles possuem. Paulo disse: "Aprendi a viver contente em toda e qualquer situa ...
Credo em Cruz Todo o Cristianismo está cheio de símbolos e significados. Mas o tempo e a prática destas liturgias tem "fabricado" uma sub-religião, alguma coisa parecida mas que não é. Refiro-me aos Credos e invenc ...
A geração idem Os gênios se foram...quase não temia mais notícias do surgimento de alguém "fora de série", de um fora do padrão comun se sobressaia no meio da multidão. A incapacidade de ousar criou uma geração medí ...
A ditadura O "PADRÃO GLOBAL", vaticinado e imposto pela TV Globo, tenta ditar desde a moda da beleza - fazendo de seus artistas verdadeiras formas de fabricar beldades - até o cúmulo de ditar o modo que os outro ...

terça-feira, agosto 28, 2007

O PODER DO EVANGELHO


Papua Nova Guiné pede desculpas por canibalismo de ancestrais:

Descendentes de canibais, que mataram e comeram quatro missionários nativos do arquipélago de Fiji em 1878, pediram desculpas pelo ato dos ancestrais em Papua Nova Guiné.
Os religiosos fijianos integravam um grupo de ministros e professores metodistas que chegaram a Papua Nova Guiné em 1875 para pregar o cristianismo. A morte deles por integrantes da tribo Tolai provocou reações furiosas na época.
O pastor inglês George Brown, líder da missão, se vingou dos assassinatos ao participar de uma expedição que resultou em diversas mortes na tribo e causou a devastação de vilarejos locais.
Milhares de pessoas participaram da cerimônia de reconcialiação na província de East New Britain, onde ocorreram as mortes. Velas foram acesas pela memória dos quatro missionários.

Perdão:
O mais alto representante fijiano em Papua Nova Guiné, Ratu Isoa Tikoca, aceitou as desculpas em apoio aos descendentes das vítimas.
"Estamos profundamente tocados e desejamos a vocês a alegria do perdão no momento em que este conflito histórico finalmente acaba", disse Tikoca.
O governador-geral de Papua Nova Guiné, Paulias Matane, elogiou os antigos missionários por tornar o país cristão e fez um apelo para que mais gente siga os mesmos princípios.
"Gostaria que muitas pessoas pudessem seguir os dez mandamentos, mas algumas ainda roubam e cometem adultério", disse Matane.
"Houve um grande aumento nos casos de Aids e HIV no país em conseqüência do adultério, ainda que as pessoas saibam que isso é errado", completou.
Papua Nova Guiné fica ao norte da Austrália e ocupa a parte leste da segunda maior ilha do mundo (Nova Guiné), o arquipélago de Bismarck e outras ilhas vizinhas.

segunda-feira, agosto 06, 2007

ILUSTRAÇÕES

Tipos inesquecíveis que encontramos nas igrejas:

Assim como numa família cada filho tem uma maneira de ser, na Igreja de Cristo nao poderia ser diferente. De uma forma bem-humorada apresentamos abaixo os tipos inesquecíveis que podem ser encontrados em qualquer igreja evangélica:...

Nao desista:

"Um certo homem faliu nos negócios com 31 anos de idade. Foi derrotado numa eleiçao para o legislativo, com 32 anos. Faliu outra vez nos negócios aos 34 anos. Superou a morte da noiva aos 35 anos. Teve um colapso nervoso aos 36 anos. Perdeu outra eleiçao com a idade de 38 anos. Perdeu nas eleiçoes do Congresso aos 43, 46 e 48 anos. Perdeu uma disputa para o Senado com 55 anos. Fracassou na tentativa de tornar-se presidente aos 56 anos. Perdeu uma disputa senatorial aos 58 anos. Aos 60 anos, Abraham Lincoln foi eleito presidente dos Estados Unidos."...

Frases de Joao Wesley:

"... o cristianismo é essencialmente uma religiao social; e reduzi-la tao só a uma expressao solitária é destruí-la."
"O mundo é a minha paróquia."
"Faça todo o bem possível, por todos os meios possíveis, de todos os modos possíveis, em todos os lugares possíveis, em todas as ocasioes possíveis, a todas as pessoas possíveis, tanto quanto for possível."...

Nao deu tempo...

Naquela manha, sentiu vontade de dormir mais um pouco. Estava cansado porque na noite anterior fora deitar muito tarde. Também nao havia dormido bem. Tinha tido um sono agitado. Mas logo abandonou a idéia de ficar um pouco mais na cama e se levantou, pensando na montanha de coisas que precisava fazer na empresa. ...

As marcas do pecado:

Havia um homem que tinha um filho ainda jovem, mas, muito desobediente. Até que um dia o pai tomou uma resoluçao, cada vez que o filho desobedecesse, ele colocaria um prego no poste de madeira em frente a casa. ...

Acesse para ler estes exemplos: www.ilustrar.com.br

terça-feira, julho 31, 2007

O CRISTÃO E A PORNOGRAFIA

LIDANDO COM A PORNOGRAFIA
Por: Jaime Kemp

1. Pornografia obscurece a forma como vemos nosso próximo
Aquele (a) que se utiliza da pornografia é induzido (a) a enxergar as outras pessoas como objeto de seu prazer. Nosso próximo deve ser visto com respeito. O apóstolo Paulo diz que devemos evitar o pecado da imoralidade (1 Ts 4.3). O que pode ser dito de algo que reduz o corpo humano a um simples objeto? Esses objetos de luxuria são pessoas reais, reduzidas a ferramentas de performance sexual, desumanizadas e "coisifícadas".
2. Pornografia é um convite para a imoralidade sexual
Neste mundo manipulado digitalmente, todo pôster de revistas pornográficas apresenta modelos com corpos perfeitos, esculpidos com os mais modernos softwares e em poses que induzem à fantasia. Sexo antes do casamento, adultério, sexo em grupo, homossexualismo, bi- sexualismo, como também outros desdobramentos mais sórdidos podem ser encontrados e são promovidos segundo o "paladar" dos solicitantes.
3. Pornografia com violência estimula o comportamento agressivo
Os consumidores de pornografia violenta tornam-se mais agressivos com as mulheres do que propriamente desejosos delas. Muitos deles motivados pela incidência acabam gradualmente aceitando que a parte passiva merece o que está recebendo. A sensibilidade, o cavalheirismo, o autocontrole e a paciência desses usuários acaba diminuindo sensivelmente.
4. Pornografia pode abalar a fidelidade e a intimidade do casamento
A exposição ao matéria! de sexo explícito resulta em maior expectativa pela atividade sexual, maior tolerância por formas de aberração sexual, promove sentimentos de baixa-estima nas mulheres e menor satisfação de sentimento para o homem. Jovens envolvidos em pornografia podem falsamente aferir que "estão tendo experiências sexuais", quando estão na verdade, construindo padrões que poderão prejudicar significativamente o relacionamento de seu futuro casamento, pois estabelecem ilusões quanto ao relacionamento físico do casa!.
5. Pornografia provoca um impacto devastador em crianças
Nos dias de hoje, um grande número de crianças mais cedo ou mais tarde acaba tendo contato com a pornografia. Muitas delas não somente têm acesso mas tornam-se usuárias até mesmo antes dos doze anos de idade. Acabam pegando revistas, assistindo vídeos, sintonizando estações a cabo, ou navegando em sites pornográficos na Internet. Inevitavelmente ocorre algum tipo de experiência sexual distorcida, com resultados nocivos à própria sexualidade. Além do mais, esse tipo de mergulho compromete sensivelmente as emoções de uma criança. Ela não possui capacidade para decidir sobre as situações mais simples de sua vida, quanto mais sobre algo tão complexo quanto a sexualidade humana!
6. Pornografia vicia
Quando dirigimos nosso apetite sexual para vídeos de sexo explícito, filmes, revistas e internei, nos colocamos em uma posição de querer sempre mais. Da mesma forma que o álcool e drogas, a pornografia também agarra suas vítimas, tornando-as dependentes. Ela paralisa a vida. Perverte a perspectiva de futuro, distorce relacionamentos e inviabiliza que Deus use nossas vidas.


PORNOGRAFIA NA INTERNET


O PROBLEMA: Muitos cristãos, especialmente homens, visitam regularmente sites pornográficos na Internet. De muitas fontes, obtivemos relatórios afirmando que, de quinze a vinte por cento de todos os sites acossados da web, tanto de locais de trabalho como em campus universitários, são pornográficos. Na noite anterior à preparação deste material, foi registrada uma afluência de 50% de assinantes de um determinado provedor, à sites pornográficos.
As conseqüências são certíssimas e vão desde uma mancha na reputação, até culpa espiritual, expulsão da escola, perda de emprego, ou até mesmo divórcio. Não é de se admirar que o número de negócios obtidos na área pornográfica tem crescido de forma assustadora.
O aumento numérico de cristãos não implica, também, que os mesmos possuam uma vida saudável espiritualmente falando. A decorrência acaba sendo de sentimento de culpa por parte de muitos fiéis que passam a vestir a máscara de hipocrisia, devido à grande incidência de pensamentos impuros, sensuais não confessados, não tratados devidamente, por desconhecimento.
O aumento dos usuários de pornografia aumentou consideravelmente devido à cinco elementos relativos à tecnologia utilizada pela Internet:
1. Acesso: Qualquer usuário da Internet consegue acessar sites pornográficos, com suas inúmeras possibilidades, sendo a maioria deles gratuita. Como se não bastasse, alguns desses sites são simulados, tendo nomes e acessos tão normais, que muitas vezes chega-se até eles por mero acaso.
2. Anonimato: Não é mais necessário correr o risco de ser reconhecido na fila de cinemas com filmes pornográficos, nem de encontrar alguém na locadora ao retirar da prateleira um filme comprometedor. A Internet é muito conveniente pois protege a identidade do usuário.
3. Privacidade: Pelo fato de geralmente utilizarmos os computadores em locais fechados, é possível navegar por mares pornográficos sem medo de ser pego pela família. Em caso de alguma interferência é necessário somente apertar um botão e lá se vai a imagem comprometedora embora.
4. Velocidade: Pode-se fazer "download" de uma imagem, aproximando ou afastando-a, conforme a conveniência. A velocidade tornou mais fácil o acesso, que antes demorava mais tempo. Nem esperar mais é preciso!
5. Independência: A Internet não pode ser efetivamente controlada por nenhum órgão de censura. Nem mesmo os mais sofisticados softwares bloqueadores, conseguem impedir que sejam acossados o crescente número de sites com as mais diferentes nomeações.


UM CAMINHO PARA A LIBERDADE

1. As pessoas viciadas em pornografia precisam admitir sua dependência e procurar ajuda.
2. Esposas ao serem pressionadas por seus maridos para assistir material pornográfico devem negar-se a fazê-lo.
3. Se você é um usuário iniciante de pornografia, pare agora! Não continue! Leia 1 Coríntios 10.12: "Assim, aquele que julga estar firme, cuide-se para que não caia!" Cada vez que você assiste algum programa pornográfico (seja qual for o meio utilizado, revista, filme, vídeo, TV, etc.) as imagens recebidas influenciam seu conceito da dignidade feminina, a qual é determinada em nosso inconsciente.
4. Se você é um usuário constante, fale com algum amigo de confiança sobre seu problema e procure ajuda profissional.
5. Procure freqüentar algum tipo de grupo para o qual você tenha que prestar contas, cujas pessoas também tenham esse tipo de problema ou algum outro semelhante (do tipo alcoólicos anônimos).
6. O maior antídoto contra pornografia é preencher a mente com pensamentos que sejam limpos e puros: "Finalmente, irmãos, tudo o que for verdadeiro, tudo o que for nobre, tudo o que for amável, tudo o que for puro, tudo o que for de boa fama, se houver algo de excelente ou digno de louvor, pensem nessas coisas" (Filipenses 4.8).
7. Tome a decisão de não comprar nenhum vídeo pornográfico, revista e nem de navegar em sites pomo.
8. Não chegue nem perto de lojas que vendam qualquer tipo de material pornográfico.
9. Fique de olhos abertos para ver os livros e revistas que seus filhos estão lendo, os programas que assistem na TV (especialmente se for a cabo), os filmes de cinema que possam estar indo, e finalmente os locais acossados pela Internet. Procure estar sempre por dentro de onde seus filhos estão e o que estão fazendo. Conheça seus amigos, convidando-os a virem à sua casa. Procure perceber alguma hesitação ao solicitar que os convide.
10. Fale de forma positiva e aberta sobre sexo na frente de seus filhos. Não conte, nem ouça piadas vulgares ou sensuais e não permita que seus filhos usem linguagem de baixo calão.


O QUE A PALAVRA DE DEUS TEM A NOS DIZER SOBRE ESSE ASSUNTO?

1. A nudez entre o marido e sua esposa não é condenada na Bíblia. Gn 2.24-25
2. O prazer sexual entre o marido e sua esposa não são condenados na Bíblia - Cântico dos Cânticos de Salomão.
3. A Bíblia condena a relação sexual fora dos laços conjugais (Hb 13.4).
4. A Bíblia condena o abuso de crianças (Mt 18.6-10).
5. A Bíblia nos adverte sobre a luxúria e os apetites carnais (1 Co 1.2; Mt 5.27-28; 1 Co 6.15-16).
6. A Bíblia nos aconselha a evitar piadas sujas, linguagem xula, que possa encorajar e descrever qualquer imoralidade sexual (Ef 5.3,4).
7. A Bíblia indica que pornografia pode causar perturbação emocional (2 Pd 2.7-8).
8. A Bíblia nos adverte a evitar qualquer aparência do mal (1 Ts 5.22).


Jaime Kemp - Lidando com a pornografia

terça-feira, maio 29, 2007

ARTIGOS DA REVISTA DIÁLOGO


Artigos:

Aagaard, Earl. (1999). As implicações morais do darwinismo. Diálogo, 11(2), 5-7.
Aagaard, Earl. (2003) Como o crente aborda as ciências. Diálogo, 15 (2), 5-7.
Agard, E. Theodore. (2000). Quão grande é seu Deus? Diálogo, 12(2), 5-6, 13.
Andreasen, Niels-Erik. (2004). Eu sei em quem tenho crido. Dialogue, 16(2), 15-17.
Aranda Fraga, Fernando. (1997). Pósmodernismo e Nova Era: as conexões sutis. Diálogo, 9(3), 10-12.
Bacchiochi, Samuele. (1995). Que Devo Vestir? Diálogo, 7(2), 16-18, 27.
Bacchiocchi, Samuele. (1996). Uma perspectiva cristã do sexo. Diálogo, 8(1), 9-11.
Bacchiocchi, Samuele. (1998). Inferno: Tormento eterno ou aniquilamento? Diálogo, 10(3), 9-12.
Badenas, Roberto. (1999). Em nome da lei! Diálogo, 11(1), 17-19, 28.
Baldwin, John T. (1996). Deus, o pardal e a jibóia esmeraldina. Diálogo, 8(3), 5-8.
Baldwin, John T. (2002). Guardas do jardim: os cristãos e o meio ambiente. Diálogo, 14(1), 8-11.
Beach, Bert B. (1997). O cristão e a política. Diálogo, 9(1), 5-6.
Beeson, Larry. (1999). A vantagem adventista. Diálogo, 11(2), 8-11.
Berecz, John M. (2000). Perdão: Uma fórmula para novos começos. Diálogo, 12(1), 5-8.
Brand, Leonard R. (1994). Pegadas nas Areias do Tempo. Diálogo, 6(2), 9-12, 33.
Brand, Leonard. (2002). Fé e ciência podem coexistir? Diálogo, 14(3), 12-14, 33.
Carbonell, Nancy J. (2000). Conversa interior: Como fazê-la funcionar. Diálogo, 12(3), 5-6, 33.
Carr, Mark F. e Winslow, Gerald R. (2002). Dieta sem carne: além da aceitação intelectual? Diálogo, 14(2), 8-11, 27.
Carstens, Jon A. (1996). Rembrandt: A jornada espiritual de um artista. Diálogo, 8(1), 16-18.
Case, Steve. (1994). Podemos Dançar? Diálogo, 6(2), 16-17, 29.
Caviness, Linda. (2004). A ligação mente-corpo: algumas descobertas recentes. Dialogue, 16(2), 11-14, 35.
Chartier, Gary. (2005). O cristão nos negócios: além da honestidade. Dialogue, 17(1), 5-8.
Clausen, Benjamin L. (1995). Pode Um Cientista Também Ser Cristão? Diálogo, 7(3), 8-10.
Coffen, Richard W. (1995). Quando Deus Derrama Lágrimas. Diálogo, 7(1), 9-11.
Coffin, Harold G. (1994). O Carvão: Como Se Originou? Diálogo, 6(1), 16-19.
Cooper, Lowell C. (2003) Perfil de uma igreja em mudança. Diálogo, 15 (1), 5-8.
Cushman, Judy. (1997). Suicídio: o que você deveria saber. Diálogo, 9(1), 7-9.
Davidson, Richard M. (1994). No Princípio: Como Interpretar Gênesis 1. Diálogo, 6(3), 9-12.
de Camargo Vieira, Ruy Carlos. (1997). Isaac Newton: cientista e teólogo. Diálogo, 9(3), 7-9.
de Groot, Mart. (1998). O Modelo do Big Bang: Uma avaliação. Diálogo, 10(1), 9-12.
de Groot, Mart. (1999). Ciência e religião: Em busca de um alvo comum? Diálogo, 11(3), 9-12.
de Groot, Mart. (2005). Gênesis e o cosmos: um quadro unificado? Dialogue, 17(1), 15-17.
Douglas, Walter. (2001). Ele tinha compaixão deles: A atitude de Cristo para com os pobres. Diálogo, 13(2), 15-17.
Douglass, Herbert E. (1998). Ellen White e a Teologia Adventista. Diálogo, 10(1), 13-15, 19.
Doukhan, Jacques B. (1996). A sinagoga e a igreja. Diálogo, 8(2), 15-17.
Doukhan, Lilianne. (2003) Como adoraremos? Diálogo, 15 (3), 17-19.
Dudley, Roger e Peggy . (2002). Como conversar com quem você ama. Diálogo, 14(3), 5-8.
du Preez, Ron. (2001). Deveríamos sempre dizer a verdade, mesmo com risco de vida? Diálogo, 13(2), 5-7.
Dybdahl, Jon. (1995). Há Esperança para os Não- Evangelizados? Diálogo, 7(1), 16-17, 29.
Dyjack, David e Angela Bennett Dyjack. (2000). Meio ambiente e os riscos à saúde. Diálogo, 12(3), 14-17.
Ekkens, David. (1994). Animais e Seres Humanos: São Eles Iguais? Diálogo, 6(3), 5-8.
Esperante, Raúl. (2004). Tempo, fé e fósseis de baleias. Dialogue, 16(2), 5-7.
Ford, Dwain L. (1996). “Você nunca completará seus estudos de pósgraduação”. Diálogo, 8(3), 16-18.
Francis, Joan. (1994). Guilherme Miller: o Homem Atrás da História de 1844. Diálogo, 6(3), 13-16.
Garcia-Marenko, Emílio e Ada. (1994). Preparandose para um Casamento Feliz. Diálogo, 6(2), 5-8.
Gashugi, Leonard K. (2000). Nem tudo está à venda: Uma perspectiva bíblica sobre economia. Diálogo, 12(1), 16-19.
Gibson, L. James. (1997). Há desígnio na Natureza? Diálogo, 9(2), 5-8.
Goldstein, Clifford. (2001). A vida: Um dilema químico? Diálogo, 13(3), 5-8.
Goldstein, Clifford. (2004). Pode a realidade ser entendida sem Deus? Dialogue, 16(2), 8-10, 17.
Gregor, Zeljko. (1997). A arqueologia e a Bíblia. Diálogo, 9(3), 13-15.
Gustin, Pat. (2000). A Janela 10/40: novas oportunidades para missões. Diálogo, 12(2), 14-17.
Haloviak, Bert. (2005). A Igreja Adventista hoje. Dialogue, 17(3), 12-14.
Handysides, Allan. (2003) HIV/AIDS: O que você deve saber. Diálogo, 15 (1), 16-18.
Javor, George T. (1997). Às vésperas da Idade do Gene. Diálogo, 9(2), 12-14.
Javor, George T. (2002). O mistério da vida. Diálogo, 14(1), 12-16.
Javor, George T. (2003) Criacionismo: Válido ainda no terceiro milênio? Diálogo, 15 (3), 10-12, 30.
Jerus, Joe. (1994). Ressurreição de Cristo: Embuste ou História? Diálogo, 6(3), 17-19, 28.
Kennedy, Elaine. (1996). A busca dos ancestrais de Adão. Diálogo, 8(1), 12-15, 34.
Kennedy, M. Elaine. (1998). Quando a crosta da Terra explode. Diálogo, 10(3), 13-16.
Kennedy, Elaine. (2001). Interpretação de dados: Conhecendo a diferença. Diálogo, 13(3), 15-19.
Kerbs, Raúl. (2002). A ética no pós-modernismo. Diálogo, 14(2), 15-17, 33.
King, Greg A. (1998). Ainda que caiam os céus. Diálogo, 10(2), 5-7, 23.
King,Greg A. (2004). Falando a verdade acerca da Verdade. Dialogue, 16(3), 5-7.
Klingbeil, Chantal J. (2002). Casamentos mistos entre adventistas. Diálogo, 14(2), 12-14.
Klingbeil, Gerald A. (2002). As pedras ainda clamam! Diálogo, 14(1), 17-19, 34.
Kootsey, J. Mailen (1996). Compreendendo como a natureza opera: a última peça do enigma? Diálogo, 8(2), 8-10.
Koranteng-Pipim, Samuel. (1995). Racismo Versus Cristianismo. Diálogo, 7(1), 12-15.
Land, Gary. (1996). O desafio do pós-modernismo. Diálogo, 8(1), 5-8.
Lee, Kyu Bong. (2001). A migração de pássaros: outra evidência de desígnio divino. Diálogo, 13(2), 8-11.
Liwidjaja-Kuntaraf, Kathleen H. (2000). Escolhas saudáveis e opções vitais. Diálogo, 12(1), 13-15, 19.
Lyakhou, Victor. (2001). Tolstoi e a Bíblia: Um relacionamento complexo. Diálogo, 13(1), 15-18.
Marshall, David. (1995). A Nova Era Não É Tão Nova. Diálogo, 7(3), 5-7.
Marshall, David. (2003) Ele ressuscitou de fato! Diálogo, 15 (3), 13-16.
Marshall, David. (2005). O cânon bíblico: uma breve análise. Dialogue, 17(1), 12-14.
Maxwell, C. Mervyn. (1997). Joseph Wolff: notável missionário. Diálogo, 9(2), 9-11.
McIver, Robert K. (2002). As quatro faces de Jesus. Diálogo, 14(3), 9-11.
McMillan, Len. (1996). As três faces do amor. Diálogo, 8(2), 5-7.
Melgosa, Julian. (1995). O Stress de Estudante: Pode Você Controlá-lo? Diálogo, 7(3), 11-14.
Merling, David. (1999). A procura da arca de Noé. Diálogo, 11(3), 5-8.
Moncrieff, Scott E. (1996). Adventistas e ficção: outra consideração. Diálogo, 8(3), 9-12.
Moon, Jerry. (1998). Mártires modernos: Fé a qualquer preço. Diálogo, 10(1), 5-8, 19.
Moyer, Bruce Campbell. (1997). Deus ama a cidade de tal maneira! Diálogo, 9(1), 14-16.
Neall, Beatrice S. (1994). Uma Segunda Análise da Batalha dos Sexos. Diálogo, 6(1), 5-8.
Nelson, Dwight K. (2002). Através da dor e além dela. Diálogo, 14(1), 5-7, 16.
Nuñez, Miguel Angel. (1999). Quando dois se tornam um: A matemática do casamento. Diálogo, 11(1), 10-12.
Núñez, Miguel Angel. (2006). Não há desculpas para a violência doméstica. Dialogue, 18(1), 15-17.
Olivares, Sérgio. (1994). Manuel Lacunza: a Conexão Adventista. Diálogo, 6(1), 12-15.
Paden, Raymond L. e Wolfer, James. (1995). Inteligência Artificial: Podem as Máquinas Pensar? Diálogo, 7(2), 9-12.
Patterson, Gary. (1998). A Igreja Adventista e um bilhão de dólares. Diálogo, 10(2), 20-23.
Pereyra, Mario. (1996). Psicologia da sociedade pósmoderna: uma perspectiva escatológica. Diálogo, 8(3), 13-15.
Pereyra, Mario. (1998). Narciso e Sansão. Diálogo, 10(1), 16-18.
Pereyra, Mario. (1999). De homo sapiens a homo videns. Diálogo, 11(3), 13-15, 19.
Pereyra, Mario. (2004). Como você reage quando ofendido? Dialogue, 16(1), 5-7.
Perrino-Walker, Céleste. (2005). Alegria: o segredo de viver contente. Dialogue, 17(2), 13-15.
Pitman, Sean D. (2005). Por que creio na Criação. Dialogue, 17(3), 9-11.
Poni, Esteban. (2004). Cuidando de sua saúde. Dialogue, 16(1), 8-10, 34.
Poni, Esteban S. e Carlos Poni. (2006). Sua saúde está em suas mãos. Dialogue, 18(1), 12-14.
Priora, Juan Carlos. (1994). Francisco Ramos Mexia. Diálogo, 6(2), 13-15.
Rasi, Humberto M. (1995). Cristãos Versus Cultura: Devíamos Amar ou Odiar o Mundo? Diálogo, 7(2), 5-8.
Rasi, Humberto M. (2003) Fé, razão e o cristão educado. Diálogo, 15 (3), 5-9, 16.
Rasi, Humberto M. (2006). Conhecendo a vontade de Deus para minha vida. Dialogue, 18(1), 5-8, 25.
Reid, G. Edward. (2004). Não se preocupe com o dinheiro! Dialogue, 16(3), 8-10.
Reid, George W. (1999). O ano 2000: Vai ele anunciar o milênio? Diálogo, 11(2), 12-15.
Reynaud, Daniel. (2002). Como escolher o que assistir. Diálogo, 14(3), 15-17.
Rice, Richard. (2000). Podemos ver sentido no sofrimento? Diálogo, 12(2), 10-13.
Robertson, Marvin L. (1994). É Realmente Importante Que Música Escolhemos Ouvir? Diálogo, 6(1), 9-11.
Rode, Daniel Julio. (2001). Por que algumas igrejas crescem e outras não? Diálogo, 13(1), 12-14, 35.
Rodríguez, Angel Manuel. (1997). A Verdade é uma Pessoa. Diálogo, 9(3), 5-6.
Roth, Ariel A. (1998). Catastrofismo? Sim! Diálogo, 10(2), 11-15.
Roth, Ariel A. (2000). Acaso ou desígnio? Diálogo, 12(1), 9-12, 29.
Roth, Ariel A. (2003) Gênesis e a coluna geológica. Diálogo, 15 (1), 6-12.
Roth, Ariel A. (2005). A ciência descobre Deus. Dialogue, 17(2), 5-7, 15.
Rumble, Beverly. (1998). Experimentos com seres humanos: Uma perspectiva cristã. Diálogo, 10(3), 5-8.
Schwantes, Siegfried J. (1999). Deus e a história: Uma perspectiva bíblica. Diálogo, 11(1), 13-16.
Sequeira, Jean. (1999). Quem foi Maria? Diálogo, 11(3), 16-19.
Shea, William H. (1997). O Dilúvio: apenas uma catástrofe local? Diálogo, 9(1), 10-13.
Shea, William H. (2005). Em busca do túmulo da família de Noé. Dialogue, 17(3), 5-8.
Smith, Dan. (2005). Qual é o propósito da oração? Dialogue, 17(2), 8-9, 15.
Smith, Reger C. (1998). Duas culturas, um casamento. Diálogo, 10(2), 8-10.
Sorajjakool, Siroj. (2001). Ouvindo a tristeza. Diálogo, 13(3), 9-11.
Staples, Russell. (2001). Os adventistas frente ao século 21. Diálogo, 13(1), 5-7, 35.
Steger, Carlos F. (2001). Fósseis: Sua origem e significado. Diálogo, 13(1), 8-11.
Steyn, Delyse. (2005). Filtrando a mídia. Dialogue, 17(3), 15-17.
Takatohi, Urias Echterhoff. (2002). A busca por inteligência extraterrestre. Diálogo, 14(2), 5-7.
Terreros, Marco T. (1996). A mensagem adventista e o desafio da evolução. Diálogo, 8(2), 11-14.
Thomsen, Calvin. (2005). Seis mitos do casamento. Dialogue, 17(2), 10-12.
Timm, Alberto R. (2001). Quão Confiavel é a Bíblia? Diálogo, 13(3), 12-14.
Valenzuela, Alfonso. (2004). Casados, mas felizes. Dialogue, 16(3), 14-16.
van Bemmelen, Peter. (1998). A Bíblia: Como pode ela ser única? Diálogo, 10(3), 17-19.
Van Pelt, Nancy L. (1999). Namoro: Preparando-se para um casamento bem sucedido. Diálogo, 11(2), 20-23.
Van Pelt, Nancy L. (2000). Depois das núpcias vem o casamento. Diálogo, 12(2), 7-9, 17.
Van Pelt, Nancy L. (2001). Conversa franca sobre pureza sexual. Diálogo, 13(2), 12-14, 25.
Van Pelt, Nancy L. (2003) Esperando pelo sexo. Diálogo, 15 (1), 13-15.
Van Pelt, Nancy. (2006). O que é essa coisa chamada amor? Dialogue, 18(1), 9-11.
Viera, Juan Carlos. (1995). Avanço Adventista na América Latina. Diálogo, 7(2), 13-15.
Vyhmeister, Nancy. (2004). Jesus Cristo: Mito ou história? Dialogue, 16(1), 11-13.
Walters, James W. (1979). É Koko uma pessoa? Diálogo, 9(2), 15-17, 34.
Ward, Ewan e Hancock, Marty. (2003) Planejamento inteligente: Desafio da bioquímica à evolução darwinista? Diálogo, 15 (2), 11-14, 17.
Weiss, Herold. (1995). Liberdade e Nacionalismo: Uma Perspectiva Paulina. Diálogo, 7(3), 15-17.
Whidden, Woodrow W. (2004). A Trindade: por que é importante? Dialogue, 16(3), 11-13.
Williams, DeWitt S. (2003) O fator amizade. Diálogo, 15 (2), 15-17.
Winslow, Gerald R. (1995). Cristãos e a Bioética: Pode a Bíblia nos Ajudar? Diálogo, 7(1), 5-8.
Wohlberg, Steve. (2003) Left Behind é bíblico? Diálogo, 15 (2), 8-10.
Wohlberg, Steve. (2005). Harry Potter: divertimento inocente ou instrumento destrutivo? Dialogue, 17(1), 9-11.
Zhigankov, Oleg. (2000). Antes do seu tempo? A Reforma religiosa do século 15 na Rússia. Diálogo, 12(3), 10-13.
Zuccarelli, Anthony J. e Gerald R. Winslow. (1999). À nossa própria imagem? A ética e a clonagem humana. Diálogo, 11(1), 5-9.
Zuill, Henry. (2000). Ecologia, biodiversidade e criação: Um enfoque estrutural. Diálogo, 12(3), 7-9, 32.

quarta-feira, abril 04, 2007

REFLEXÃO PARA A PÁSCOA



O VERDADEIRO SENTIDO DA PÁSCOA

Por: Jorge Schemes

É tempo de páscoa, é tempo de reflexão. Nada melhor do que uma história para ilustrar o verdadeiro espírito e significado desta data. Certa vez, numa pequena cidade do interior havia uma pequena, mas muito bem cuidada, escola pública de Ensino Fundamental. Nela, estudavam crianças e adolescentes de várias classes sociais. Havia nesta escola uma turma muito especial, era a 4ª série “c” da professora Lylla. Era uma turma especial porque nela estudava o pequeno e franzino Jeremias, uma criança muito inteligente, porém muito doente e com muitas limitações físicas. Lylla era uma professora comprometida e muita bem preparada. Amava o que fazia e amava mais ainda os seus alunos, os quais conhecia muito bem e chamava pelo nome. O carinho da turma pela professora era evidente. Todos os dias as crianças competiam entre si nas demonstrações de afeto à jovem professora. As aulas eram dinâmicas e muito bem planejadas, de tal maneira que os alunos sentiam prazer em participar do processo de ensino e aprendizagem. Era a semana que antecedia a semana da páscoa. Mais precisamente uma sexta-feira. No outro final de semana seria a data tão esperada. Todos na escola só falavam do que queriam ganhar, e é claro que os ovos de chocolate estavam no topo da lista dos presentes favoritos da criançada. E os alunos da professora Lylla não eram exceção. Estavam eufóricos com o clima festivo da data, afinal, ganhar presentes e chocolates nunca é demais quando se é criança. Diante do entusiasmo e motivação da turma, Lylla propôs um desafio aos seus alunos. Solicitou que todos participassem de coração. A professora pediu para que cada aluno e aluna da 4ª série “c” fizesse o seu melhor na confecção de um ovo de madeira. Todavia, este ovo de madeira deveria ser partido ao meio e oco por dentro. A turminha vibrou com a idéia, mas não demorou muito para que começassem a fazer perguntas. _ Professora, argumentou Priscila, não será fácil fazer este ovo sozinha, posso pedir a ajuda do meu avô? Lylla respondeu prontamente que sim, que todos poderiam pedir ajuda e aproveitou para explicar para toda a classe que o tamanho do ovo não importava, desde que ele fosse oco por dentro. Gustavo, que adorava pintar seus desenhos, logo perguntou: _ Podemos pintar e colorir o ovo de madeira professora? _ Claro que sim, respondeu Lylla, será ótimo que vocês usem toda criatividade possível. Enquanto a turma estava agitada e conversando uns com os outros sobre a confecção do ovo de madeira, Jeremias estava calado “no seu cantinho” e parecia um pouco preocupado. Foi então que um de seus colegas de sala percebeu isso e falou em voz alta: _ Mas professora, e o Jeremias? Como ele vai poder fazer este trabalho? A preocupação de Alberto tinha fundamento. É que Jeremias não tinha uma boa coordenação motora devido a problemas neurológicos, os quais o impediam de andar e movimentar braços e mãos normalmente, de modo que sua locomoção era lenta e os movimentos mais simples eram difíceis de realizar. A turma ainda não estava acostumada com Jeremias, pois ele estava com eles fazia apenas uns dois meses, desde que começaram as aulas naquele ano. Depois da fala de Alberto o burburinho foi cedendo lugar ao silêncio e os olhos de todos se voltaram para os fundos da sala de aula, atingindo diretamente o olhar assustado de Jeremias. A professora percebeu sua timidez e constrangimento e procurou ser muito sensível ao perguntar para Jeremias se ele gostaria de participar da atividade proposta. Jeremias tinha dificuldades até mesmo para se expressar verbalmente, embora sua inteligência fosse aguçada e sua capacidade cognitiva fosse uma das melhores da classe. Mesmo diante da situação e de suas limitações, Jeremias afirmou que gostaria de fazer o seu ovo de madeira, e disse mais, disse que a páscoa era sua data preferida. Lylla o elogiou e disse que acreditava no seu potencial e capacidade. A turma começou a conversar baixinho e dentre as conversas que foram surgindo logo apareceram aquelas preconceituosas. _ Será que Jeremias entendeu o que a professora pediu? _ Será que ele conseguirá fazer o seu ovo de madeira? _ Aposto que ele vai desistir na primeira tentativa! Argumentaram alguns alunos. Eles chegaram até a fazer apostas para ver se Jeremias iria fazer ou não o ovo de madeira. A aula estava quase acabando quando a professora interrompeu a conversa entusiasmada dos alunos e deu mais algumas orientações sobre a confecção do ovo de madeira. _ Meus queridos, ela disse; prestem atenção e anotem as seguintes orientações para o trabalho: vocês farão o ovo de madeira em duas metades e oco, mas deverão colocar algo dentro que simbolize a vida, porque a páscoa é a comemoração da vida. Coloquem o que quiserem. Vocês deverão trazer o ovo com algo dentro que seja um símbolo da vida até 5ª feira, para juntos, fazermos uma reflexão sobre o verdadeiro sentido da páscoa. _ Todos entenderam? Vocês têm alguma dúvida? Perguntou a professora. A classe toda demonstrou ter entendido a tarefa e logo começaram a falar sobre como seria feito o ovo de madeira. O sinal para o término de mais uma manhã de aula ecoou pelos corredores da escola. Os alunos foram para casa cheios de vontade para realizar a tarefa o quanto antes. Muitos disseram que já na segunda-feira estariam com o seu ovo de madeira pronto. Jeremias, como de costume, era o último a sair da sala devido a seus problemas de saúde, e como sempre se despedia da professora Lylla com um beijo, agradecendo-a por mais uma manhã de aprendizado. Na verdade, ele era um menino muito educado, e possuía uma personalidade agradável. Aquele final de semana passou voando. Na segunda-feira de manhã Lylla e seus alunos estavam de volta à escola. O comentário não poderia ser outro a não ser a confecção do ovo de madeira. Poucos notaram, mas Jeremias não foi para a aula naquela manhã. Os dias se passaram rapidamente, 3ª feira, 4ª feira e finalmente chegou o dia da apresentação do trabalho. Naquela 5ª feira pela manhã, todos os alunos, sem exceção, inclusive Jeremias que havia faltado três dias consecutivos, estavam presentes. Alguns tinham confeccionado seu ovo de madeira com muito capricho. Pedro era um deles e levou orgulhoso um ovo feito na marcenaria do seu tio. Era um ovo perfeito. Lindo. Todo colorido e brilhante. Os alunos foram entrando na sala e procurando seus lugares, um a um foram tirando seu ovo de madeira de dentro das mochilas escolares e colocando em cima da carteira. Jeremias foi o último aluno a sentar, mas não colocou nenhum ovo sobre a sua carteira. A expectativa era grande, todos queriam mostrar o que tinham colocado dentro do seu ovo de madeira. A professora os recebeu com alegria, e após as boas vindas os convidou a mostrar para a classe o que tinham feito. Tinha ovo de todo tamanho e cor. Os alunos tinham caprichado. A grande maioria havia solicitado ajuda de seus pais e parentes. Lylla perguntou: _ Quem gostaria de iniciar a apresentação? Pedro, que tinha o maior ovo de madeira da sala levantou-se e foi na frente da turma orgulhosamente. Antes de abri-lo, a professora perguntou se ele tinha colocado algo dentro que simbolizasse a vida, Pedro respondeu que sim, e ao abrir o ovo lá estava um grão de feijão brotando em cima de um pedaço de algodão embebido com água. O garoto disse entusiasmado: _ este é o meu símbolo da vida! Houve um murmurinho quase que geral, porque muitos outros tinham feito a mesma coisa, pois tinham aprendido esta experiência no final da 3ª série. Porém, Julia, uma menina alegre e inteligente, pediu para mostrar o seu ovo. Ao abri-lo, todos notaram que um líquido escorreu, era água. Julia afirmou emocionada: _ A água é símbolo da vida, pois sem ela não podemos existir! Nada sobrevive sem água! Assim, um a um os alunos foram apresentando seus trabalhos, sempre com a aprovação e os elogios da jovem professora Lylla. Quando parecia que todos já tinham mostrado e falado sobre seu ovo de madeira e o que tinham colocado dentro, a turma e a professora ouviram uma voz gritando: _ Professora, falta o Jeremias! Todos se voltaram para os fundos da sala onde Jeremias estava sentado. Neste momento, alguns alunos preconceituosos começaram a rir e dizer que Jeremias não tinha feito o trabalho. _ Ele não entendeu o que era para fazer professora! Disse Paulo. _ Eu sabia que ele não iria conseguir! Disse Ana. Lylla interrompeu imediatamente estes comentários e exigiu respeito ao colega. A classe ficou em silêncio. E antes que a professora pudesse perguntar se Jeremias tinha feito ou não o trabalho, todos ouviram uma voz rouca e tímida vinda do fundo da sala que dizia: _ Professora...Eu...Também...Fiz...Posso...? Era Jeremias. Ele tinha deixado seu ovo de madeira dentro da sua mochila, pois teve vergonha de mostrá-lo. Todos se surpreenderam quando Jeremias começou a tirar “algo” de dentro de sua mochila. Lentamente ele foi tirando e colocando sobre a sua carteira. E para surpresa de todos, lá estava “algo parecido” com um ovo de madeira. Parecido, porque tinha um formato diferente, era disforme e cheio de falhas. A classe começou a cochichar e a rir baixinho. A professora demonstrou que não estava gostando, e mais uma vez exigiu respeito ao colega. O ovo de madeira de Jeremias tinha sido feito por ele mesmo, com muita dificuldade e dedicação e sem a ajuda de ninguém. Não estava pintado e era o mais feio da classe. Perto dos outros trabalhos parecia um “lixo”. Mas a beleza não estava no exterior. Jeremias pediu para ir até na frente da classe. A professora e mais dois coleguinhas o ajudaram a se locomover enquanto ele segurava o seu ovo de madeira preso ao peito. Após chegar lá, Jeremias começou a falar com muita dificuldade. Lylla solicitou aos alunos que prestassem atenção. Jeremias disse emocionado: _ Isto aqui (mostrando seu ovo de madeira), não representa um ovo. Em seguida, ao separar as duas metades, todos na sala puderam perceber que “aquilo” estava oco por dentro, mas que não tinha nada dentro que simbolizasse a vida. Os alunos começaram a cochichar, mas bastou um olhar de repreensão da professora para que se calassem. Jeremias continuou com dificuldades: _ Isto...Representa a sepultura...De Jesus Cristo, e está vazio...Porque Ele ressuscitou dos mortos...Esse é o símbolo da páscoa...Jesus está vivo...A sepultura está vazia! Naquele momento, o verdadeiro espírito da páscoa começou a percorrer os corações. A professora, emocionada, deixou cair gotas de lágrimas. Jeremias tinha deixado uma mensagem que marcaria para sempre a vida de cada um naquela sala de aula. O sinal tocou em seguida e a professora se despediu de cada um desejando uma feliz páscoa. Aquele final de semana passou rápido como todo bom feriado. Na segunda-feira os alunos retornaram para a escola ansiosos para contar as novidades da páscoa. Uns queriam falar das celebrações em sua igreja, outros queriam mostrar o tamanho e a quantidade de ovos e doces que ganharam. Mas todos queriam compartilhar suas experiências. A sala da professora Lylla estava alvoroçada. Muitos tinham trazido balas e chocolates para a professora. Todos estavam presentes, menos Jeremias. Antes de iniciar a aula naquela manhã, Lylla disse que tinha uma notícia triste para dar aos seus alunos. _ Queridos, disse ela com a voz embargada. Hoje pela manhã eu recebi um telefonema da família do Jeremias. Sua mãe estava muito triste e me disse que o Jeremias estava muito doente. Ela me disse que ele já estava lutando contra seus problemas de saúde fazia muitos anos, mas que ultimamente estava ficando cada vez pior. Ela me disse que ele amava vir para a escola, e que este era o melhor momento do seu dia. Queridos, infelizmente o Jeremias não veio hoje...(Lylla não conseguiu segurar as lágrimas), ele não veio hoje porque...Ontem à tarde ele foi internado as pressas no hospital municipal, mas não resistiu aos seus graves problemas de saúde e faleceu. O Jeremias está morto! A turma foi pega de surpresa e todos, sem exceção, se entristeceram e alguns até começaram a chorar. A professora teve dificuldades em acalmar a classe. Em seguida disse aos alunos que as aulas estavam suspensas, pois ela e os professores iriam ao funeral. Em seguida, Lylla convidou seus alunos e perguntou quantos também gostariam de ir. Todos levantaram as mãos. Vendo a disposição dos alunos, a professora fez um pedido inusitado. _ Será que vocês podem ir até suas casas buscar os ovos de madeira que fizeram para a páscoa? Como todos moravam perto da escola isso não parecia algo difícil ou impossível de fazer. A turma deixou o material na sala de aula e saiu correndo para buscar os ovos de madeira. Logo todos estavam de volta, cada um com seu ovo de madeira. Lylla pediu que todos tirassem o que havia dentro do ovo de madeira, que deixassem o ovo vazio, assim como Jeremias havia ensinado. Em seguida, todos pegaram o seu ovo de madeira vazio e foram andando até a casa de Jeremias, pois não ficava muito distante da escola. Ao chegarem lá, puderam observar um caixão branco onde o pequeno e frágil corpo de Jeremias estava sendo velado. Então, mais uma vez a professora fez um pedido aos seus alunos: _Por gentileza queridos alunos, disse ela, peguem os ovos de madeira que cada um de vocês fizeram e coloquem todos embaixo do esquife (caixão). Um a um, os alunos foram até onde estava o caixão de Jeremias e colocaram seu ovo de madeira aberto, sem nada dentro, vazio, assim como Jeremias havia ensinado. Cada um daqueles ovos simbolizava a esperança da ressurreição, simbolizava a vida e não a morte. Finalmente, todos puderam sentir a força espiritual do que Jeremias havia ensinado. Finalmente, todos puderam entender qual era o verdadeiro sentido da páscoa.

Obs: Dedico esta história ao meu amor Lylla, e aos meus filhos, Miriam e Jorge Gabriel.
Pesquisa personalizada