Há uma grande diferença entre praticar uma religião e experimentar um relacionamento com Deus. Há uma grande diferença entre religião e salvação. Há muitas religiões, mas um só Deus e um só Evangelho. Religião vem dos homens; "O Evangelho é o poder de Deus para a salvação por meio de Jesus Cristo". Religião é o ópio do povo; Salvação é presente de Deus ao homem perdido. Religião é história do homem pecador que precisa fazer alguma coisa para o seu deus imaginado. O Evangelho nos diz o que o Deus Santo fez pelo homem pecador. Religião procura um deus; O Evangelho é a Boa Nova de que Jesus Cristo procura o homem que se encontra no caminho errado. "Porque o Filho do Homem veio salvar o que se havia perdido" (Mateus 18:11). O Evangelho muda o ser humano por dentro por meio da presença do Espírito Santo de Deus em seu coração. Nenhuma religião tem um salvador ressuscitado, que perdoa os pecados e dá vida eterna, pois só Jesus Cristo venceu a morte. Por isso, dirija-se só a Jesus Cristo. Ele é o único que pode perdoar os seus pecados e lhe dar vida nova nesta vida e vida eterna no reino de Deus. "Crê no Senhor Jesus, e serás salvo" (Atos 16:31). "E o sangue de Jesus , Seu Filho, nos purifica de todo o pecado" (I João 1:7). Receba a Jesus AGORA em seu coração como seu Salvador e como único Senhor de sua vida. "Hoje, se ouvirdes a sua voz, não endureçais os vossos corações"; "Hoje é o dia da Salvação". E depois de aceitar a Cristo Ele diz: "Se me amais, guardai os meus mandamentos" (João 14:15). "Se guardardes os meus mandamentos, permanecereis no meu amor; do mesmo modo que eu tenho guardado os mandamentos de meu Pai, e permaneço no seu amor" (João 15:10). "Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda esse é o que me ama; e aquele que me ama será amado de meu Pai, e eu o amarei, e me manifestarei a ele" (João 14:21).

Pesquisa personalizada

Ouça Estudos da Bíblia Agora:

Ouça Áudio Livro Caminho a Cristo!

Estude a Palavra de Deus Agora!

Estude a Palavra de Deus Agora!
Cursos e Estudos Bíblicos Gratuítos

quinta-feira, dezembro 10, 2009

MAIS UMA VERGONHA PARA A IGREJA!


Nos dias 06 e 11 de novembro sucessivamente postei aqui um texto sobre o APAGÃO ÉTICO E MORAL NO MEIO EVANGÉLICO E UM FILME DE DONNIE SWAGART. O texto foi reproduzido em vários sites e jornais evangélicos e o filme fala sobre os CAFETÕES DA PROSPERIDADE.

Recebi muitos emails apontando que os caminhos traçados nas postagens estavam corretos. Agora o presente vídeo mostra o final de uma reunião onde deputados evangélicos, após receberem propina, oram agradecendo a Deus. Isso acontece menos de trinta dias após minhas postagens.

Fiquei a me perguntar: Estão orando a qual Deus? Pedindo que este Deus faça justiça em uma total demonstração de injustiça? Qual o peso ético de tais homens na política brasileira? Tais deputados evangélicos estão aprendendo estas coisas em quais igrejas? Em qual Bíblia leram que Deus abençoa a corrupção?

Nada me tira da cabeça que tais pessoas, em nome de uma teologia podre e mesmo sem uma conversão genuína, demonstram suas naturezas perversas que em nada foram transformadas pelo Evangelho do Senhor Jesus Cristo.
Tais pessoas devem crer que em nome de uma prosperidade trevosa vale qualquer tipo de comportamento. Esse ensino diabólico que todo cristão deve ser rico tem levado a igreja para a vala da inutilidade.

O escândalo que se apresenta em Brasília vai arrastar para a lama moral não somente seu governador, mas também um número muito grande de pessoas envolvidas, políticos e para nossa infelicidade muitos dos que se dizem cristãos.

Este que ora no vídeo é o Dep. Brunelli, filho de um apóstolo cuja igreja tem sede em Brasília. Ele agradece a Deus a propina e repreende os adversários. Isso é uma vergonha!

Esse tipo de comportamento expressa o caminho assumido por uma parte da igreja evangélica brasileira, que optou conscientemente jogar no lixo a moral e a ética e fazer deste mundo sua eterna morada. A Palavra de Deus aponta para outro caminho. Veja o que Paulo escreve a Tito cap. 2:11-15
“11 Porque a graça de Deus se há manifestado, trazendo salvação a todos os homens,
12 Ensinando-nos que, renunciando à impiedade e às concupiscências mundanas, vivamos neste presente século sóbria, e justa, e piamente, 13 Aguardando a bem-aventurada esperança e o aparecimento da glória do grande Deus e nosso Salvador Jesus Cristo;
14 O qual se deu a si mesmo por nós para nos remir de toda a iniqüidade, e purificar para si um povo seu especial, zeloso de boas obras. 15 Fala disto, e exorta e repreende com toda a autoridade. Ninguém te despreze”.

Parece-me que aqueles que assumiram a pernóstica Teologia da Prosperidade tornaram-se a banda podre da igreja. Tal banda podre a meu ver é irredimível. No meio neo-pentecostal a falta de caráter fala mais alto que qualquer outra coisa.

Em nome de unções e moveres de Deus estão forjando uma geração de cristãos desconfigurados, alérgicos a um bom ensinamento bíblico, descompromissados com tudo e todos e que adoram a um deus chamado próprio ventre. Cristãos sentimentais, com distúrbios emocionais gravíssimos e totalmente alienados da vida. Egoístas, caluniadores e no fundo servem de massa de manobra para os perversos e mundanos líderes que eles acolhem como homens de Deus.

O Apóstolo Paulo nos diz em Filp 3: 18-19 “Porque muitos há, dos quais muitas vezes vos disse, e agora também digo, chorando, que são inimigos da cruz de Cristo, Cujo fim é a perdição; cujo Deus é o ventre, e cuja glória é para confusão deles, que só pensam nas coisas terrenas”.

Já havia dito anteriormente que esta bolha de crescimento da igreja e falsos ensinos teria seus dias contados. Vai estourar e já está começando. Só que acho que o estrago feito não tem mais conserto. Estamos longe demais dos fundamentos para voltar. Os cristãos não querem a Palavra pura, mas deixaram misturar veneno e por isso há morte na panela.

O que nos resta senão chorarmos amargamente pelos nossos pecados. Nós todos os cristãos somos responsáveis por tais vergonhas em nosso meio. Nós e mais ninguém fomos os que elegemos tais desqualificados para os cargos que ocupam atualmente.

Em 2010 haverá eleições. Pastores e líderes não se deixem corromper com privilégios espúrios. Não indiquem candidatos que não possuam vida cristã ilibada. Os lobos se apresentarão como salvadores da pátria, como chamados por Deus para realizarem a vontade Dele nas assembléias, câmaras, governos etc.

Pastores e lideres sejam homens de Deus e digam não a tais propostas. Meus irmãos em Cristo que nos portemos como homens e mulheres de Deus e saibamos utilizar nossas mentes e competências para desempenharmos uma cidadania sadia, comprometida e acima de tudo para Glória de Deus.

Soli Deo Glória.

Autor: Pr. Luiz Fernando R. de Souza
Fonte: Ministério Força Para Viver

Mais:

terça-feira, dezembro 08, 2009

Descendentes de canibais pedem perdão a família de missionário devorado

Moradores esperam se livrar de suposta 'maldição' por morte de missionário

Moradores esperam se livrar de suposta 'maldição' por morte de missionário:
Os herdeiros de um homem que foi devorado por canibais em uma pequena ilha do Pacífico há 170 anos voltaram pela primeira vez ao local da morte de seu ancestral para fazer parte de uma singular cerimônia de reconciliação.

O ritual se deu na pequena ilha de Erromango, uma das ilhas que compõem a nação de Vanuatu, onde em 1839 os indígenas mataram e devoraram o reverendo John Williams, um dos mais reconhecidos missionário de seu tempo, e seu colega James Harris.

Desde então os nativos crêem ser vítimas de uma "maldição", que querem desfazer agora que o catolicismo é cada vez mais forte na ilha.

"O povo de Erromango sempre teve sobre si o peso de ter matado um missionário. Eles acham que foram amaldiçoados e é por isso que essa reconciliação é tão importante", disse à BBC o presidente de Vanuatu, Iolo Johnson Abbil.

"Desde que passamos a nos considerar como um país cristão, era necessário que Erromango passasse por isso."
Canibalismo
Em 1816, aos 20 anos de idade, John Williams abraçou a vida de missionário dedicando-se à catequização de indígenas da Polinésia sob os auspícios da Sociedade Missionária de Londres.
Dedicou-se à atividade por mais de duas décadas. Em sua última viagem, ele aportou em 1839 a bordo do navio Camden na baía de Dillons, no arquipélago a mais de 1,5 mil quilômetros a leste da Austrália que ainda viria a se tornar Vanuatu.
Williams abraçou a vida de missionário
aos 20 anos por duas décadas.
Ali, dias antes, nativos de Erromango haviam sido mortos por comerciantes europeus de sândalo. Em meio à hostilidade, os dois foram mortos e canibalizados pelos nativos, assim que puseram os pés em terra.

"Harris, que estava mais adiante, foi abatido a clavas e morto. John Williams se virou e tentou correr para o mar. Eles o alcançaram na costa. Ele também foi abatido, flechado e morreu nas águas rasas", contou um dos descendentes do missionário, Charles Milner-Williams, 65.

O antropólogo Ralph Regenvanu, membro do Parlamento de Vanuatu e um dos que propuseram a reconciliação, disse que os homens provavelmente foram mortos porque representavam a "incursão" do homem branco na terra indígena.

"O canibalismo era praticado de forma de ritual e considerada uma atividade sagrada. Muitas vezes era uma maneira de derrotar uma ameaça, de absorver o poder do inimigo", disse o antropólogo.

"John Williams pode ter sido morto e devorado porque representava essa ameaça, essa incursão da civilização europeia que estava chegando a Erromango naquela época."

Reconciliação
Na cerimônia de reconciliação, à qual compareceram 18 descendentes do missionário Williams, a morte dos dois homens foi reencenada. Dezenas de descendentes dos moradores de Erromango à época fizeram fila para pedir o perdão da família.

O canibalismo era muitas vezes uma maneira de derrotar uma ameaça, de absorver o poder do inimigo. John Williams pode ter sido morte e devorado porque representava essa ameaça, essa incursão da civilização européia que estava chegando a Erromango naquela época.
Ralph Regenvanu, antropólogo
Como demonstração de afeto e respeito, a baía de Dillons, onde ocorreu o incidente, foi renomeada de baía de Williams.

"A reconciliação é parte da nossa cultura. Pedir perdão é uma parte do cerimonial, mas não a única”, disse Regenvanu. “A reconciliação requer algo de ambos os lados, há sempre o elemento da troca."

A família de Williams concordou em amparar a educação de uma garota de sete anos de idade, que foi ritualmente "entregue" à família como compensação pela perda do missionário. Para o parente de Williams, Charles, o ritual foi emocionante.

“Vim sem saber o que esperar e saio, curiosamente, com minha fé restaurada e me sentindo renovado", afirmou Milner-Williams, que vive em Hampshire, no sul da Inglaterra.

"Pensei que após 170 anos eu não sentiria nenhuma emoção, mas a pureza dos sentimentos, o arrependimento genuíno e a tristeza, de partir o coração, foram bastante tocantes." [Fonte: BBC Brasil - Briony Leyland - Da BBC News em Erromango]
Pesquisa personalizada